Líderes aceitam dialogar com Vladimir Putin, mas afastam possibilidade de reunião

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os chefes de Estado e de Governo da UE concordaram hoje em manter “o diálogo” com o Presidente russo, Vladimir Putin, mas afastaram, para já, a possibilidade de uma cimeira, afirmou a chanceler alemã.

“Agora serão trabalhados os formatos e condições em que o diálogo pode ser retomado. Hoje não foi possível chegar a um acordo sobre a que nível, se ao nível dos chefes de Estado, mas o importante é que o diálogo seja mantido”, disse Angela Merkel, no final do primeiro dia do Conselho Europeu, realizado em Bruxelas.

“Pessoalmente, gostaria de ter ido mais longe, mas (..) vamos continuar a trabalhar”, acrescentou a chanceler alemã, precisando que “não foi uma discussão fácil”.

A Alemanha e a França apresentaram uma proposta para retomar as cimeiras com o Presidente russo, depois da reunião que Putin realizou, na semana passada, com o homólogo dos Estados Unidos, Joe Biden.

“A melhor maneira de resolver o conflito, já o vimos com o Presidente norte-americano, é falarmos uns com os outros”, disse a governante alemã, à chegada ao encontro.

A proposta franco-alemã fez parte do debate sobre como canalizar as relações com Moscovo, deterioradas desde que a Rússia anexou a península da Crimeia, em 2014, com base numa proposta do Alto Representante da UE para a Política Externa, Josep Borrell, que procura retomar os encontros com o Kremlin, mantendo simultaneamente as sanções.

“Não foi possível decidir hoje se devíamos encontrar-nos na cimeira”, disse ainda Merkel.

Para o Presidente da Lituânia, Gitanas Nauseda, “é demasiado cedo” para um encontro ao mais alto nível. “Até agora, não vemos mudança radical no comportamento de Vladimir Putin”, disse.

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, também se manifestou contra a proposta de Berlim e Paris, afirmando que não participaria numa reunião com Putin numa cimeira europeia, tal como a chefe do Governo da Estónia.

“Da última vez, tivemos uma discussão muito boa com todos os líderes sobre a Rússia. Foi muito aberta, e todos concordámos que a Rússia é uma grande ameaça”, disse a primeira-ministra daquele país, Kaja Kallas.

Já o primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, defendeu que “a relação com a Rússia não pode limitar-se às sanções económicas e à expulsão de diplomatas”.

“A certa altura, é preciso ter a possibilidade de nos reunirmos à volta de uma mesa”, sustentou.

Nas conclusões adotadas após várias horas de reunião, os chefes de Estado e de Governo da UE pediram a Moscovo uma atitude “mais construtiva” e um “compromisso político”, bem como a cessação de ações contra a UE e Estados-membros, e países terceiros.

Por um lado, os líderes europeus declararam-se “abertos” a um envolvimento seletivo com a Rússia, em questões como alterações climáticas, acordo nuclear com o Irão ou conflitos na Síria e na Líbia. “O Conselho Europeu irá explorar formatos e condicionalidades do diálogo com a Rússia”, sublinharam.

Por outro, consideraram necessária uma “resposta firme e coordenada da UE e dos Estados-membros a qualquer atividade maliciosa, ilegal e perturbadora por parte da Rússia, com pleno uso de todos os instrumentos à disposição da UE e assegurando a coordenação com os parceiros”.

Para isso, convidaram a Comissão e o Alto Representante a “apresentar opções para medidas restritivas adicionais, incluindo sanções económicas”.

Em paralelo, condenaram as recentes atividades cibernéticas maliciosas contra os Estados-membros, incluindo Irlanda e Polónia, e pediram que sejam estudadas “medidas apropriadas, no quadro da caixa de ferramentas da ciberdiplomacia”.

O primeiro dia do Conselho Europeu em Bruxelas terminou esta madrugada, após nove horas de discussões, sem declarações dos líderes das instituições à imprensa. A reunião ficou ainda marcada por um “debate profundo e, por vezes, até emotivo”, relativo à lei húngara que põe em causa os direitos das pessoas LGBTQI (lésbicas, ‘gays’, bissexuais, transgénero, ‘queer’ e intersexuais), de acordo com fontes europeias.

Ao contrário do que é habitual, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, não falaram à imprensa depois deste primeiro dia.

Na chegada à cimeira europeia, na quinta-feira, o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, refutou as críticas da UE à controversa lei que proíbe que se fale de homossexualidade nas escolas, e argumentou que a legislação “não é contra os homossexuais”, cujos direitos garantiu defender.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.