Crianças são as que mais sofrem com o agravamento da pandemia em África – Unicef

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A pandemia de covid-19 agrava-se diariamente em África, o que para as crianças significa perder os pais e avós que cuidam delas e estarem afastadas da escola que as protege de abuso, segundo a Unicef.

“Ao ritmo atual das infeções, esta vaga irá exceder a anterior em questão de semanas devido a variantes mais contagiosas, uma vacinação muito lenta no continente e hospitais sobrecarregados”, disse aos jornalistas, em Genebra, o porta-voz do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), James Elder.

A situação é particularmente alarmante na África do Sul e nos países vizinhos. Com uma população de 57 milhões de pessoas, apenas 2,5 milhões de sul-africanos receberam pelo menos uma dose de qualquer uma das vacinas contra a covid-19 disponíveis.

Paradoxalmente, esta é uma das taxas de vacinação mais elevadas do continente, onde 1,5% dos 2,7 mil milhões de doses utilizadas até agora a nível mundial foram administradas.

James Elder disse que, na Namíbia, um país de 2,5 milhões de pessoas, há 1.000 novos casos e 30 mortes todos os dias, uma situação com a qual o sistema hospitalar é incapaz de lidar, sobretudo devido à escassez de oxigénio.

No Uganda, foi registado um aumento de 2.800% dos novos casos, entre março e hoje, de acordo com a Unicef.

Esta situação está a levar as autoridades de vários países a reordenarem o encerramento de escolas, o que os parceiros da agência identificaram como fonte de stress nas crianças, uma vez que contribui para o agravamento dos números de violência baseada no género, gravidez na adolescência e trabalho infantil.

Desde o início da pandemia, as agências internacionais estimam que 50 milhões de pessoas em África tenham caído na pobreza.

Nestas circunstâncias, a Unicef apelou aos governos para que façam tudo o que for possível para manter as escolas a funcionar, aplicando os protocolos de saúde necessários.

No entanto, a agência recordou que a única saída para a pandemia é alargar a vacinação e torná-la acessível aos países mais pobres, o que só será possível se os países com recursos suficientes apoiarem o mecanismo Covax para um acesso equitativo às vacinas, seja doando doses ou através de contribuições financeiras.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos 3.903.064 vítimas em todo o mundo, resultantes de mais de 179,9 milhões de casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP. 

A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China. 

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.