PR apela a mais apoio internacional à RCA no Conselho de Segurança da ONU

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Presidente da República pediu hoje, nas Nações Unidas, mais apoio internacional à paz e segurança na República Centro-Africana (RCA), neutralização das forças dissidentes no país, respeito do cessar-fogo e suspensão do embargo de armas.

João Lourenço fez uma intervenção em língua portuguesa numa reunião do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, sobre a RCA, na qualidade de presidente da Conferência Internacional para a Região dos Grandes Lagos (CIRGL).

“O Governo de Angola reconhece que o apoio internacional é cada vez mais importante agora para contribuir nos esforços tendentes a garantir a paz e a estabilidade na República Centro-Africana”, declarou Lourenço.

Segundo o chefe de Estado angolano, a “situação de segurança na região dos Grandes Lagos, particularmente na República Centro-Africana, é caracterizada pela presença ativa de grupos armados”, que se comprometeram com o acordo político de 06 de fevereiro de 2019 para cessação das hostilidades.

O presidente da CIRGL sublinhou também ser importante “que as autoridades centro-africanas trabalhem no sentido de neutralizar as forças internas que apostam em deteriorar as boas relações com as Nações Unidas e com influentes membros do Conselho de Segurança”.

O responsável voltou a defender o levantamento do embargo de armas imposto pelo Conselho de Segurança da ONU à RCA, “que impossibilita o Governo centro-africano de adquirir armas”, considerando que a medida já não é apropriada à atual conjuntura e nega o “direito inalienável” de todos os Estados a “criar capacidade própria de se defender de ameaças internas e externas”.

O Presidente angolano pediu ainda ao Conselho de segurança que passe a olhar para o dossiê do embargo de armas, decretado em 2013, “com outros olhos e com mais justiça”.

Para o líder da CIRGL, a comunidade internacional e as Nações Unidas passam “uma mensagem errada” ao “impedir a construção de verdadeiras forças armadas, à altura dos desafios do país e da conturbada região”.

O chefe de Estado alertou que o “epicentro” do terrorismo internacional foi transferido do Médio Oriente para África e considerou que a situação pode exacerbar a proliferação do terrorismo e incrementar a ameaça à paz e a estabilidade.

Sublinhando a importância da Missão Multidimensional Integrada de Estabilização na República Centro-Africana (Minusca), o líder angolano declarou que “é altura de se ajudar a República Centro-Africana a formar as suas tropas e equipar com armamento e equipamentos as Forças Armadas, para que comece a caminhar com as suas próprias pernas e esteja em condições de garantir sua própria defesa e segurança”.

Ao referir diversas reuniões oficiais de alto nível na CIRGL, com liderança de Angola, João Lourenço voltou a reiterar que os grupos armados na RCA assumiram o compromisso de “abandonar a luta armada e aderir ao programa de desarmamento, desmobilização, reintegração e repatriamento”.

Nesse sentido, congratulou-se com a proposta de “roteiro conjunto para a paz na RCA”, que “define as atividades principais a serem desenvolvidas”, construído em maio e junho entre ministros dos Negócios Estrangeiros da República Centro-Africana, de Angola e do Ruanda depois de várias reuniões na capital centro-africana, Bangui.

E declarou ao Conselho de Segurança da ONU que na segunda cimeira sobre a situação política de segurança na RCA, em 20 de abril, a CIRGL instou “os grupos armados a não realizarem ações que ponham em causa um cessar-fogo”.

O Presidente angolano repetiu também o apelo feito pelos chefes de Estado e de Governo à comunidade internacional, em particular à ONU, “para encorajar os esforços regionais com vista a revitalizar o acordo político para a paz e a reconciliação”.

Classificada pela ONU como o segundo país menos desenvolvido do mundo, a República Centro-Africana enfrenta uma guerra civil desde 2013, que, no entanto, diminuiu consideravelmente de intensidade desde 2018.

Portugal tem atualmente 241 militares na RCA, dos quais 183 integram a Minusca.

Os restantes 58 militares portugueses participam na missão de treino, promovida pela União Europeia, até setembro deste ano.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.