Biden e Putin reúnem-se hoje em Genebra em busca de relação “estável e previsível”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os presidentes dos Estados Unidos, Joe Biden, e da Rússia, Vladimir Putin, realizam hoje uma cimeira em Genebra à procura de uma relação “estável e previsível”.

A Ucrânia, a Bielorrússia, o destino do opositor russo detido Alexei Navalny, e os ciberataques são os temas da cimeira e o debate prevê-se áspero e difícil.

A cimeira vai decorrer na cidade suíça de Genebra e será o ponto culminante da primeira deslocação de Biden à Europa, num momento em que se acentuaram as tensões entre a Rússia e o Ocidente.

Após participar nas cimeiras do G7, da NATO e com a União Europeia, Biden está munido de novos argumentos, em particular após a reunião de segunda-feira com os aliados e na qual a Rússia e a China foram apontados como “desafios sistemáticos à ordem internacional”.

A abordagem de Biden face à Rússia assinala uma rutura com a protagonizada pelo seu antecessor Donald Trump. A única cimeira que mantiveram, em julho de 2018 em Helsínquia, ficou assinalada pela recusa de Trump em legitimar as conclusões das agências de informações norte-americanas e quando Putin continuava a negar interferência russa nas presidenciais realizadas dois anos antes.

A Presidência norte-americana optou agora por fornecer poucos detalhes sobre o encontro a dois, e apenas confirmou que, ao contrário do que sucedeu com Trump em 2018, não está prevista uma conferência de imprensa conjunta.

A Casa Branca tem alternado mensagens conciliadoras com advertências dirigidas à Rússia, e já admitiu que espera resultados modestos do encontro bilateral. O único objetivo avançado foi tornar as relações entre os dois países “mais estáveis e previsíveis”.

Biden tem insistido que pretende uma relação “previsível” com a Rússia e que pretende baixar a temperatura entre os dois países, assinalada em particular pelas divergências em torno da soberania da Ucrânia e a vaga de ciberataques.

Biden já frisou que pretende deixar claro a Vladimir Putin que as relações entre os Estados Unidos e os aliados na Europa “são firmes”, e deverá pressionar Putin para terminar com diversas “atuações provocatórias”, incluindo os ciberataques a empresas norte-americanas por “piratas” informáticos e alegadamente a partir de território na Rússia, a detenção do opositor Alexei Navalny ou ainda a suposta interferência do Kremlin nas eleições norte-americanas, que Putin já negou de forma categórica.

Numa confirmação da prevalência das tensões entre as suas potências, Moscovo voltou a acusar na semana passada do Estados Unidos de manterem a tensão no leste da Ucrânia, ao não exerceram a necessária influência para que o Governo de Kiev cumpra os acordos de Minsk, que implicaram uma trégua entre as forças ucranianas e os rebeldes russófonos e um roteiro político, há muito bloqueado.

A cimeira de Genebra vai implicar restrições aéreas entre terça-feira e quinta-feira nesta região da Suíça, e ainda o envio de uma força máxima de mil soldados do Exército nacional em apoio às forças da polícia, proteção civil e outros corpos dos cantões que já se encontram mobilizados.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.