Pandemia e morte de George Floyd monopolizam os Prémios Pulitzer

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os trabalhos jornalísticos em torno da pandemia do coronavírus e da morte do afro-americano George Floyd monopolizaram os prestigiados Prémios Pulitzer.

“O ano 2020 foi como nenhum outro na história do jornalismo. As organizações noticiosas da nação enfrentaram a complexidade da cobertura ‘back-to-back’ de uma pandemia global, um ponto de viragem racial, e uma eleição presidencial extremamente disputada”, disse a copresidente do conselho de administração do Prémio Pulitzer Mindy Marques, num vídeo publicado no website da organização.

No caso do prémio de Serviço Público, o mais prestigioso dos 21 prémios, o júri considerou o The New York Times merecedor do prémio deste ano pela sua cobertura da pandemia de covid-19, por “ter exposto desigualdades raciais e económicas nos Estados Unidos e não só”.

Para o júri dos prémios, o jornal, que acompanhou mortes e infeções com um sistema de dados constantemente atualizado, “preencheu uma lacuna de informação e ajudou os governos locais, prestadores de cuidados de saúde, empresas e indivíduos a estarem mais bem preparados”.

Entretanto, o prémio de notícias de última hora foi para o jornal local Star Tribune em Minneapolis, Minnesota, pela sua cobertura da morte de Floyd às mãos de um polícia e da consequente onda de protestos antirracistas e contra a violência policial que se seguiu.

Já o fotógrafo espanhol da Associated Press (AP) Emilio Morenatti recebeu o prémio na categoria de fotojornalismo por “uma série de fotografias em movimento que transporta o público para a vida dos idosos em Espanha que lutam contra a pandemia do coronavírus.

Por outro lado, o prémio de melhor fotografia de última hora foi para a equipa de fotografia da Associated Press, “para uma coleção de fotografias de múltiplas cidades dos EUA que refletiam de forma coesa a resposta da nação à morte de George Floyd”.

Vários meios de comunicação social regionais foram reconhecidos este ano, incluindo o Boston Globe pelo trabalho jornalístico de investigação de cinco dos seus repórteres ao revelarem “uma falha sistemática dos governos estaduais em partilhar informações sobre condutores de camiões perigosos”, o que levou a reformas imediatas no sistema.

Além disso, a organização sem fins lucrativos de jornalismo The Marshal Project, AL.com (Birmingham), IndyStar (Indianapolis), e o Invisible Institute (Chicago) receberam o prémio nacional de jornalismo por um ano de investigação sobre as unidades caninas e “os cães da polícia que causam danos aos norte-americanos, incluindo civis inocentes e agentes da polícia”, o que levou a várias reformas.

Três jornalistas do portal de notícias Buzzfeed, entretanto, receberam o prémio internacional de jornalismo por um grupo de artigos que utilizaram imagens de satélite e conhecimentos de arquitetura, juntamente com dezenas de entrevistas, para identificar uma nova infraestrutura construída pelo Governo chinês para a detenção em massa de cidadãos muçulmanos.

Na literatura, o prémio de ficção foi para Louise Erdrich por “The Night Watchman”, o de Drama para Katori Hall por “The Hot Wing King”, o de poesia para Natalie Diaz por “Portcolonial Love Poem”, e de música para Tania Leon por “Stride”.

Este ano, os Prémios Pulitzer foram anunciados dois meses mais tarde do que o habitual (são normalmente anunciados em meados de abril) para permitir que os jurados se reunissem pessoalmente para deliberar.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.