Manuel Fernandes afirma que integração na Frente Ampla implicaria dissolução da CASA-CE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O presidente da CASA-CE, Manuel Fernandes, defendeu, esta sexta-feira, o afastamento da coligação ao projecto político denominado Frente Ampla, pelo facto de, em seu entender, a sua concretização implicaria a dissolução da coligação.

Manuel Fernandes, que falava no programa Especial Informação da TV Zimbo, referiu que está a se criar um falso elemento que não se vai concretizar, tendo em conta que o mesmo não cria uma nova coligação, mas sim a integração das forças políticas na lista da UNITA com quotas para a sua acomodação.

“Não é uma Frente Ampla nenhuma, mas sim uma integração de vários actores políticos na lista da UNITA , dai que a CASA-CE não pode fazer parte deste exercício, por ter ambição de concorrer às próximas eleições”, argumentou.

Acrescentou ainda que “a CASA-CE é uma coligação e não pode ser contactada para integrar outra coligação, ou seja, ela é que tem espaço de abertura para que outras forças possam entrar”, disse.

Neste sentido, Manuel Fernandes questionou se as outras forças políticas, com incidência para UNITA, estão dispostas a ir às eleições sem a sua bandeira e os seus símbolos.

Por outro, o político acrescentou que se houvesse interesse para que a CASA-CE integrasse a mesma não teriam contactado o Bloco Democrático (BD), mas antes a liderança da mesma para ver a viabilidade deste processo, o que não ocorreu.

Ainda assim, referiu que se podem estabelecer convergências paralelas com outras forças políticas, visando o controlo do voto, bem como estabelecer mecanismos de luta para a construção do processo democrático.

No capítulo interno, Manuel Fernandes, que substituiu André Mandes de Carvalho no comando da CASA-CE, adiantou que a mesma hoje está mais dinâmica e próxima dos cidadãos.

Em seu entender, este é um momento para perceber a situação real dos angolanos e, por este motivo, tem realizado digressões pelo país.

Defendeu ainda a necessidade de se idealizar políticas que possam conduzir os cidadãos para uma nova realidade e um novo contexto do país.

Ainda em relação à reorganização da mesma, argumentou que actualmente cinco dos seis partidos que compõem a coligação já se definiram em trabalhar para a sua consolidação, faltando apenas o BD que ainda está em processo.

Para si, apesar dos vários problemas na mudança de liderança, dissidência no Grupo Parlamentar, entre outros, a coligação continua forte e unida, porque anteriormente era “um manto de retalhos, com vários poderes”.

Ao longo da sua entrevista, falou igualmente do momento actual do país, que na sua opinião exige grandes mudanças.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.