Dificuldades financeiras inviabilizam emissão de Eurobonds

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A ministra das Finanças, Vera Daves, afirmou, nesta terça-feira, não haver condições financeiras para a emissão de títulos de crédito de dívida soberana sob forma de Eurobonds, neste ano de 2021, o que poderá, eventualmente, acontecer em 2022.

Os Eurobonds são títulos de dívida soberana em moeda estrangeira, neste caso, em dólares. 

Em entrevista à agência de notícias norte-americana Bloomberg, Vera Daves refere que o Plano Anual de Dívida Pública-2021, já publicado no website da Unidade de Gestão da Dívida (UGD), não faz menção à emissão de Eurobonds.

“Não temos intenção de emitir Eurobonds este ano. Vamos ver se temos condições financeiras para o próximo ano”, afirmou a governante.

Em Novembro de 2015, Angola estreou-se na emissão de Eurobonds, captando no mercado externo cerca de 1,5 mil milhões de dólares a uma taxa de juro de 9,5 por cento ao ano e uma  maturidade de dez anos.

Em 2018 foi feita a  segunda emissão, em duas parcelas, uma primeira no valor nominal de 1,75 mil milhões de dólares, a uma taxa de juro de 8,25 por cento ano e maturidade de dez anos, e a segunda de 1,25 mil milhões, juro de 9,375 por cento e maturidade de 30 anos. 

As duas emissões permitiram angariar 1.500 milhões de dólares (1.310 milhões de euros), em 2015, e 3.500 milhões de dólares (3.050 milhões de euros), em 2018. Três meses depois, o Governo avançou com a reabertura daquela emissão, dada a forte procura que existiu, garantindo mais 500 milhões de dólares.

No total foram feitas três emissões, sendo a primeira em 2015, no valor de 1,5 mil milhões; a segunda em 2018; e a terceira em 2019, no montante de três mil milhões de dólares cada.

A última autorização de emissão de títulos de dívida soberana nos mercados internacionais foi dada por meio do Despacho Presidencial nº  44/20, de 18 de Março, para crédito no valor estimado até  USD três mil milhões.

O documento a que a Angop teve acesso, na altura, justificava a medida, ao ser accionada, com a necessidade de cobertura dos encargos orçamentais no exercício económico de 2020.

Angop

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.