Milhares de pessoas regressam a Goma depois da erupção do Nyiragongo na RDCongo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Milhares de pessoas que fugiram de Goma durante a erupção do vulcão Nyiragongo, na República Democrática do Congo (RDCongo), dividem-se entre a alegria de voltar e o medo de um futuro incerto na cidade mais afetada pela lava.

Hoje, centenas de pessoas encheram 34 autocarros e uma dúzia de camiões a caminho de Sake, a 26 quilómetros de Goma, e a incerteza sobre o que irão encontrar era o ponto comum dos vários testemunhos recolhidos pela agência France-Presse.

“Mesmo que eu volte para Goma, onde vou dormir? Todos os meus pertences foram reduzidos a cinzas”, lamentou Beatrice Assumani, mãe de quatro filhos que, de lágrimas nos olhos, contou que perdeu tudo por causa da lava.

“É bom chegar a Goma, mas dormir onde e comer o quê?”, questionou, por sua vez, Esperance Léonard, do mesmo distrito de Buhene a norte de Goma, que foi atingido pela lava expelida pelo vulcão.

As autoridades, apesar do receio dos cidadãos, mantêm o otimismo sobre a recuperação da região: “Estimamos que cerca de 17 habitantes de Goma já vão dormir na sua cidade esta noite”, disse o coordenador da proteção civil no Kivu do Norte, Joseph Makundi, explicando que está no local a “registar as vítimas” para lhes prestar ajuda.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) alertou para o “risco de cólera em Sake”, uma cidade com 65 mil habitantes, apontando que “pontos de água e as infraestruturas são limitados e estão agora sobrecarregados por mais de 120.000 pessoas que fugiram de Goma” e refugiaram-se nesta cidade, em casa de amigos ou familiares.

Dos cerca de 450.000 congoleses deslocados pela erupção e atividade sísmica do Nyiragongo, mais de 160.000 já tinham regressado a Goma em 02 de junho, segundo dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Na segunda-feira, o primeiro-ministro congolês, Jean-Michel Sama Lukonde, anunciou o regresso gradual de milhares de pessoas deslocadas, para as quais “um hospital militar móvel bem equipado, capaz de prestar cuidados de apoio às estruturas de saúde existentes” será colocado à disposição.

No domingo, o diretor do Observatório Vulcanológico de Goma, Celestin Kasereka Mahinda, disse em declarações à agência Efe que “não há risco, por enquanto” de o Nyiragongo voltar a entrar em erupção, mas os especialistas continuam a “acompanhar de perto a situação”.

O Nyiragongo, um dos vulcões mais ativos do mundo, entrou em erupção inesperadamente em 22 de maio, após meses sem supervisão científica por parte do Observatório devido à falta de fundos, e devastou a periferia de Goma, capital da província do Kivu Norte, localizada a pouco mais de 10 quilómetros do vulcão.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.