Companhia julgada por homicídio sete anos após queda de avião no Mali

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A companhia Swiftair vai ser julgada por homicídio, sete anos após a queda do avião AH5017 da Air Algerie no Mali, que matou mais de uma centena de pessoas, avançou hoje a Agência France Press (AFP).

Em 24 de julho de 2014, a aeronave que fazia o voo Ouagadougou-Argel caiu no Norte do Mali, com 110 passageiros a bordo.

A espanhola Swiftair, que tinha alugado o AH5017 e a tripulação, é acusada de “negligência” na formação dos trabalhadores em causa.

Segundo um despacho de 109 páginas, datado de 19 de maio, a que a AFP teve acesso, os juízes investigadores da divisão de acidentes do Tribunal de Paris decidiram que a empresa deveria ser julgada por má conduta, na sequência de não ter dado “formação suficiente à tripulação”.

Os motores da aeronave acabaram por desacelerar por não ter sido acionado o sistema de antigelo, fazendo com que o avião se despenhasse.

“O julgamento vai forçar os líderes da Swiftair a explicarem, perante o tribunal e as famílias das vítimas, as suas escolhas e o seu desejo de contornar os regulamentos de segurança para economizar”, considerou, citado pela mesma agência noticiosa, o advogado das famílias das vítimas, Sébastien Busy.

A Swiftair, que conta com uma frota de cerca de 50 aviões, contestou, desde a acusação em 29 de junho de 2017, qualquer responsabilidade pelo acidente.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.