Cerca de 7.000 famílias deslocadas após ataque na semana passada no Burkina Faso

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Cerca de 7.000 famílias fugiram das suas casas depois do ataque à aldeia de Solhan, no nordeste do Burkina Faso, que matou, oficialmente, 132 pessoas, anunciou hoje o Governo burkinabé.

“Notámos que há mais de 7.000 famílias que foram deportadas para Sabba”, a capital da província de Yagha, localizada a cerca de 15 quilómetros de Solhan, afirmou o primeiro-ministro do Burkina Faso, Christophe Dabiré, que visitou o local na segunda-feira.

Citado pela agência France-Presse (AFP), o chefe do Governo acrescentou que já foram tomadas as disposições para proporcionar a estes deslocados “um mínimo de conforto, alojamento e comida”.

Durante o dia de hoje, o porta-voz do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), Babar Baloch, afirmou, em Genebra, que cerca de 3.300 pessoas foram forçadas a fugir após o ataque a Solhan, incluindo mais de 2.000 crianças e de 500 mulheres.

Estas pessoas “chegaram com poucos ou nenhuns bens” e a maioria tem sido “generosamente acolhida por famílias locais, que partilham o pouco que têm”, referiu então.

O porta-voz afirmou que o ACNUR e organizações parceiras no terreno, em colaboração com as autoridades locais, estão a criar 200 abrigos e a prestar assistência aos deslocados, mas “são necessários mais recursos para aumentar a assistência”.

O ACNUR estima que o número de mortos no ataque da passada sexta-feira ascenda a 138 pessoas (fontes locais apontaram para 160 em declarações à AFP), naquele que é o ataque mais mortal no país desde 2015, levado a cabo, alegadamente, por radicais islâmicos.

Por sua vez, o Governo regista 132 mortes.

Solhan é uma pequena cidade a cerca de 15 quilómetros de Sebba, a capital da província de Yagha – próxima das fronteiras com o Mali e o Níger -, que nos últimos anos tem sido palco de numerosos ataques atribuídos a rebeldes ligados à Al-Qaida e ao Estado Islâmico.

O ataque em Solhan no passado dia 04 assemelha-se a outro, na mesma sexta-feira, à noite, numa aldeia da mesma região, Tadaryat, no qual pelo menos 14 pessoas foram mortas.

A espiral de violência fundamentalista no Burkina Faso fez mais de 1.400 mortos desde 2015 e deslocou mais de um milhão de pessoas.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.