Pelo menos 1.115 jornalistas de 77 países morreram da doença

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Pelo menos 1.500 jornalistas de 77 países morreram de covid-19 desde que começou a pandemia, disse hoje o grupo Press Emblem Campaign destacando que 200 profissionais foram vítimas da doença em maio.   

De acordo com a organização não-governamental com sede em Genebra, Suíça, quase metade das mortes de jornalistas por covid-19 no mês maio ocorreram na Índia, onde se verifica um grave surto da doença, havendo ainda a registar 26 mortes no Brasil.  

O secretário-geral da Press Emblem Campaign, Blaise Lempen, lamentou que nos países em vias de desenvolvimento a vacinação não seja suficiente e lembrou que os jornalistas são profissionais particularmente expostos ao vírus, no exercício da profissão.

Por outro lado, a organização agradece que alguns países tenham incluído jornalistas entre os grupos prioritários para vacinação e que alguns governos tenham tomado medidas no sentido de apoiar as famílias dos profissionais que morreram da doença.  

Por regiões, a América Latina registou mais de metade das vítimas: 795 mortes, seguida da Ásia com 406, Europa com 192, África com 57 e América do Norte com 51 óbitos, desde que começou a crise sanitária.

Por países, os meios de comunicação social da Índia foram os mais afetados, registando-se pelo menos 246 mortes de covid-19 entre os jornalistas apesar de algumas fontes indicarem que o número real pode ultrapassar os 400 óbitos.

No Brasil morreram 239 jornalistas de SARS-CoV-2, no Peru 163 e no México 112.

Entre os dez países onde se registaram mais mortes de jornalistas vítimas do novo coronavírus estão também a Colômbia, Itália, Bangladesh, Equador, Estados Unidos e o Irão. 

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.