António Guterres “indignado” com ataque que fez mais de 100 mortos no Burkina Faso

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, declarou-se hoje “indignado” com o ataque mais recente no Burkina Faso, que fez mais de 100 vítimas, o mais mortífero desde que a violência jihadista começou no norte do país, em 2015.

“O secretário-geral está indignado com o assassinato esta manhã cedo de mais de 100 civis, incluindo sete crianças, num ataque de assaltantes não identificados a uma aldeia na província de Yagha, na região do Sahel do Burkina Faso”, disse o seu porta-voz, Stephane Dujarric, numa declaração.

Segundo Dujarric, Guterres “condena veementemente este ataque horrendo e salienta a necessidade urgente de a comunidade internacional reforçar o seu apoio a um dos seus membros na luta contra a violência extremista e o seu inaceitável custo humano”.

Pelo menos cem civis foram mortos no norte de Burkina Faso, em Solhan, entre sexta-feira e hoje, naquele que foi o ataque mais mortal registado neste país desde o início da violência jihadista em 2015. O ataque e o número de mortos foram confirmados pelo Governo.

Sohlan, uma pequena cidade localizada a cerca de 15 quilómetros de Sebba, capital da província de Yagha localizada não muito longe da fronteira com o Mali, registou vários ataques nos últimos anos.

Um luto nacional de 72 horas foi decretado pelas autoridades, a partir das 00:00 de hoje até segunda-feira, 07 de junho, às 23:59, de acordo com o Governo.

Apesar do anúncio de inúmeras operações, as forças de segurança estão a lutar para conter a espiral de violência rebelde que provocou mais de 1.400 mortos e mais de um milhão de deslocados desde 2015, fugindo de áreas de violência.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.