África do Sul ajusta confinamento para conter terceira vaga da pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, anunciou hoje novas medidas de confinamento a partir de segunda-feira para conter o aumento de casos de covid-19 no país.

O chefe de Estado sul-africano disse que o Governo vai implementar o “confinamento de nível 2 ajustado”, advertindo para a “iminência de uma terceira vaga” da pandemia da covid-19 em pelo menos quatro das nove províncias do país.

Ramaphosa referiu, num anúncio ao país pela televisão, que a África do Sul registou uma média de 3.745 novas infeções por dia, significando um aumento de 31% de novos casos de infeção nos últimos sete dias e 66% na semana anterior.

“A proporção de testes à covid-19 positivos mais do que duplicou no último mês, de cerca de 4% para mais de 11%, mesmo com o aumento dos testes em todo o país”, salientou.

O Presidente sul-africano considerou que “uma taxa de positividade de mais de 5% é um motivo de preocupação”, sublinhando que “ainda não sabemos se a nova onda será severa ou por quanto tempo irá durar”.

De acordo com Cyril Ramaphosa, o aumento de casos diários “segue a mesma trajetória do início das duas vagas anteriores”, sublinhando que as províncias do Estado Livre, Cabo Oriental, Noroeste e de Gauteng atingiram “uma terceira vaga de infeções”.

Como parte das novas medidas ajustadas de confinamento contra a covid-19, o chefe de Estado sul-africano anunciou um novo recolher obrigatório entre as 23:00 locais e as 4:00 do dia seguinte e o encerramento de bares e restaurantes às 22:00, apelando aos sul-africanos para evitarem “viagens desnecessárias”.

“Devemos estar cientes de que o vírus não se move de um lugar para outro por si mesmo, depende da movimentação de pessoas. Quanto menos viajarmos, menos o vírus se espalha”, referiu.

Nas últimas duas semanas, notou Ramaphosa, mais de 960.000 pessoas receberam já uma dose da vacina contra a covid-19 na África do Sul, das quais 480.000 foram vacinadas com a primeira dose da vacina Pfizer.

“Mais de 67% dos funcionários da saúde foram vacinados”, avançou Ramaphosa, explicando que estes “profissionais de saúde receberam a vacina Johnson & Johnson, que requer apenas uma única dose”.

Ramaphosa revelou que o Governo assegurou 31 milhões de doses da Johnson & Johnson e 20 milhões de doses da Pfizer, mas que tem apenas 1,3 milhões de doses atualmente no país.

Nesse sentido, o chefe de Estado explicou que a entrega das vacinas da farmacêutica Johnson & Johnson, foi adiada devido a “questões regulatórias” relacionadas a falta de adesão aos padrões adequados numa das fábricas nos Estados Unidos da América, segundo o presidente sul-africano.

A África do Sul, que pretende vacinar cerca de 40 milhões de pessoas até ao final do ano, contabiliza mais de 1,6 milhões de casos confirmados de covid-19 e mais de 56.000 mortes associadas à doença do novo coronavírus, segundo as autoridades de saúde sul-africanas.

O Presidente Ramaphosa afirmou que o continente africano está a envidar esforços para expandir a sua capacidade de produção de vacinas com vista “a ser autossuficiente na produção de vacinas”.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.535.376 mortos no mundo, resultantes de mais de 169,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.