Tabagismo matou 7,7 milhões de pessoas no mundo em 2019 – The Lancet

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O tabagismo matou 7,7 milhões de pessoas em 2019, ano em que o número de fumadores aumentou para 1,1 mil milhões, revelam estimativas mundiais hoje divulgadas, acrescentando que 89% dos novos fumadores ficaram viciados aos 25 anos.

As estimativas são divulgadas pela revista médica The Lancet, que publica três estudos com dados sobre a prevalência do tabagismo em 204 países, em homens e mulheres com 15 ou mais anos, incluindo idade de iniciação ao consumo de tabaco, doenças associadas e riscos entre fumadores e ex-fumadores.

Impostos mais altos sobre o tabaco, fim da adição de sabores, como mentol, em todos os produtos contendo nicotina, proibição da publicidade ao tabaco na internet, incluindo nas redes sociais, e mais espaços livres de fumo são medidas apontadas para prevenir o tabagismo entre os mais jovens.

Os estudos, sintetizados num comunicado da The Lancet, são publicados em vésperas do Dia Mundial Sem Tabaco, que se assinala na segunda-feira.

A China lidera a lista dos 10 países com mais fumadores em 2019, totalizando 341 milhões de consumidores de tabaco: um em cada três fumadores no mundo vivia há dois anos na China.

Depois da China, seguem-se Índia, Indonésia, Estados Unidos, Rússia, Bangladesh, Japão, Turquia, Vietname e Filipinas. Juntos, estes países representam quase dois terços da população de fumadores mundial.

Cerca de 87% das mortes mundiais associadas ao fumo do tabaco ocorreram entre fumadores ativos. Apenas 6% dos óbitos envolveram pessoas que tinham deixado de fumar há pelo menos 15 anos.

Em 2019, o tabagismo esteve ligado a 1,7 milhões de mortes por isquemia cardíaca, a 1,6 milhões de mortes por doença pulmonar obstrutiva crónica, a 1,3 milhões de mortes por cancro da traqueia, brônquios e pulmão e quase um milhão de mortes por acidente vascular cerebral.

Segundo estudos anteriores, pelo menos um em cada dois fumadores de longo prazo morrerá de causas diretamente relacionadas com o tabagismo, sendo que os fumadores têm uma esperança média de vida 10 anos inferior à dos que nunca fumaram.

Globalmente, um em cada três homens e uma em cada cinco mulheres fumava, em 2019, o equivalente a 20 ou mais cigarros por dia.

De acordo com as estimativas divulgadas pela The Lancet, no mesmo ano havia 155 milhões de fumadores entre os 15 e os 24 anos.

Em países como Bulgária, Croácia, Letónia, França, Chile e Turquia e na região autónoma dinamarquesa da Gronelândia, mais de um em cada três jovens fumavam.

Índia, Egito e Indonésia registaram os maiores aumentos no número de homens jovens fumadores, enquanto Turquia, Jordânia e Zâmbia os maiores aumentos no número de mulheres jovens fumadoras, uma vez que “o progresso na redução da prevalência do tabagismo não acompanhou o aumento da população”, acentuando o crescimento de fumadores jovens.

Mundialmente, em média, as pessoas começam a fumar regularmente aos 19 anos. Na Dinamarca, país mais “precoce”, a idade média é os 16,4 anos e no Togo, por oposição, é os 22,5 anos.

Na maioria dos países, a idade mínima legal para comprar tabaco é os 16 ou 18 anos. Nos Estados Unidos, Uganda, Honduras, Sri Lanka, Samoa e Kuwait é os 21 anos.

Um dos estudos estima que 273,9 milhões de pessoas usaram em 2019 tabaco de mascar (tabaco moído), que aumenta o risco de cancro oral, sendo que 83% residiam no sul da Ásia.

O país “campeão” no consumo de tabaco de mascar é a Índia (185,8 milhões de consumidores, que representam mais de metade dos utilizadores à escala mundial).

Face aos números, os autores do estudo alertam para a necessidade de “regulamentações e políticas mais fortes” para travar a alta prevalência deste consumo em alguns países asiáticos.

No comunicado, a revista The Lancet adverte que os três estudos apresentam limitações, como o facto de os efeitos do tabagismo na saúde não incluírem o fumo passivo e os dados não englobarem o consumo de cigarros eletrónicos ou produtos de tabaco aquecido.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.