FMI propõe plano de 50 mil milhões de euros para acabar com pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O FMI propõe um plano para pôr fim à pandemia com um financiamento estimado em 50.000 milhões de dólares (cerca de 41.000 milhões de euros) e um objetivo de vacinação de 40% da população mundial este ano.

“A nossa proposta estabelece objetivos, avalia as necessidades de financiamento e define ações pragmáticas”, disse Kristalina Georgieva, diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), na cimeira mundial de Saúde do G20, em Roma.

O plano visa ter, pelo menos, 60% da população mundial vacinada até ao final de 2022 para permitir uma recuperação económica global duradoura.

Os autores do relatório salientam que é agora aceite que não haverá um “fim duradouro” da crise económica sem um fim da crise sanitária.

É, portanto, do interesse de todos os países pôr definitivamente termo a esta crise.

“Há já algum tempo que alertamos para uma perigosa divergência nas situações económicas”, comentou o chefe da instituição.

“Isto só irá piorar à medida que o fosso entre países ricos, que têm acesso a vacinas, e países pobres, que não o têm, aumentar”, disse Georgieva.

No final de abril, menos de 2% da população africana tinha sido vacinada, enquanto mais de 40% da população nos Estados Unidos e mais de 20% na Europa tinha recebido pelo menos uma dose de vacina contra a covid-19, disse o FMI.

A pandemia, que está a atingir duramente a Índia em particular, poderia fazer descarrilar a recuperação global.

Para colocar o mundo novamente no caminho do crescimento, o FMI está, portanto, a fazer uma série de propostas, a primeira das quais é a de preencher as lacunas de vacinas que muitos países em desenvolvimento estão a enfrentar.

O objetivo é ajudar a “colocar a pandemia sob controlo significativo em todo o lado para benefício de todos”, disse Georgieva.

Para cumprir os objetivos de vacinação da população mundial, o FMI faz uma série de propostas tendo como primeiro objetivo colmatar as lacunas em matéria de vacinação com as quais numerosos países em desenvolvimento se confrontam.

O Covax foi criado para tentar evitar que os países ricos açambarcassem o essencial das doses valiosas. Mas, até agora, tem-se revelado ineficaz.

A proposta do FMI custaria cerca de 50.000 milhões de dólares numa combinação de subsídios (pelo menos 35.000 milhões de dólares), recursos governamentais internos e outros financiamentos, disse o FMI.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.