Peritos internacionais juntam-se para tentar prevenir a próxima pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Um grupo de peritos internacionais de diferentes entidades vai trabalhar para desenvolver o conhecimento sobre a interação entre o homem, os animais e o ambiente, no sentido de travar potenciais pandemias, anunciou hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Segundo o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, “as estreitas ligações entre a saúde humana, animal e ambiental exigem uma estreita colaboração, comunicação e coordenação entre os setores envolvidos” e, por isso, este grupo multidisciplinar de especialistas vai aconselhar “sobre como colmatar as lacunas entre os setores, ligando a medicina veterinária e humana às questões ambientais”.

O painel, proposto por iniciativa de França e com o apoio da Alemanha, reuniu-se pela primeira vez no início desta semana e é composto por 26 peritos independentes escolhidos pela OMS, pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e pelo Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA).

“O objetivo é, simultaneamente, dar maior visibilidade à investigação científica sobre estas questões e dar-nos os meios de fazer as escolhas certas no momento certo para prevenir outras crises sanitárias ou para lhes dar a melhor resposta possível”, explicou o ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Jean-Yves Le Drian.

Por sua vez, o homólogo alemão, Heiko Maas, lembrou a importância de reter a lição proporcionada pela pandemia de covid-19.

“A covid-19 lembrou-nos dolorosamente que a saúde dos seres humanos, dos animais e do ambiente em todo o mundo está intimamente ligada: ninguém está seguro até que todos estejam seguros. Isto é o que temos de ter em mente para prevenir futuras pandemias”, sublinhou o responsável pela diplomacia germânica.

Os peritos terão como missão o desenvolvimento de um plano de ação global para prevenir surtos de doenças de origem animal, tais como a gripe aviária H5N1 e as doenças dos vírus Ébola e Zika, tendo já sido constituídos quatro subgrupos de trabalho, onde se incluem as áreas de “vigilância em tempo real” e “prevenção”. De acordo com a OMS, cerca de 75% de todas as doenças infecciosas emergentes tiverem origem em animais.

Para a diretora executiva do PNUA, Inger Andersen, é necessário “compreender que a saúde humana, animal e global são uma e a mesma coisa” para se conseguir dar uma resposta eficaz às crises globais que ameaçam o planeta: “alterações climáticas, perda de biodiversidade e poluição”.

O painel será copresidido pelo alemão Thomas Mettenleiter, presidente do Friedrich-Loeffler-Institute, e da sul-africana Wanda Markotter, diretora do Centro de Zoonoses da Universidade de Pretória.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.