Brasil supera 15,8 milhões de casos e 441 mil mortos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Brasil superou hoje a barreira dos 15,8 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus (15.812.055) e aproxima-se dos 442 mil mortos (441.691), informou o Ministério da Saúde brasileiro.

Desse total, 2.641 óbitos e 79.219 casos positivos de covid-19 foram contabilizados nas últimas 24 horas, de acordo com o último boletim epidemiológico da tutela da Saúde.

Com os dados de hoje, a taxa de incidência da doença em território brasileiro aumentou para 210 mortes e 7.524 casos por 100 mil habitantes e a taxa de letalidade continua em 2,8%.

O Brasil, com 212 milhões de habitantes, é assim o segundo país com mais mortos em todo o mundo, após os Estados Unidos da América, e o terceiro com mais diagnósticos de infeção, superado pelos norte-americanos e pela Índia.

Das 27 unidades federativas brasileiras, São Paulo (3.129.412), Minas Gerais (1.483.200), Rio Grande do Sul (1.043.927) e Paraná (1.039.201) são as que concentram maior número de diagnósticos de infeção.

Já os Estados com mais vítimas mortais são São Paulo (105.852), Rio de Janeiro (48.662), Minas Gerais (37.927) e Rio Grande do Sul (27.031).

A gestão da pandemia do atual Governo de Jair Bolsonaro é alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Senado brasileiro, que hoje ouviu o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, um dos nomes dos mais esperados, uma vez que é apontado como um dos responsáveis por não ter comprado atempadamente vacinas, pela recomendação de tratamentos ineficazes contra a doença ou pela crise de oxigénio.

Contudo, a sessão de hoje acabou suspensa, após o general Pazuello se ter sentido mal, e será retomada na quinta-feira.

O depoimento de Pazuello, que foi o terceiro ministro da Saúde do atual executivo, ficou marcado por várias contradições, com o antigo governante a isentar Bolsonaro de culpas na condução da pandemia, quer em relação à indicação do uso de cloroquina para o tratamento da doença, quer face à recusa de compra de vacinas.

Em relação à grave crise de oxigénio que afetou Manaus, e que levou à morte por asfixia de dezenas de pacientes, Pazuello afirmou que o auxílio do Governo Federal àquela região amazónia foi a “maior operação logística da história” e começou a agir logo após o surgimento do problema.

Além disso, insistiu que só tomou conhecimento dos riscos de desabastecimento de oxigénio em Manaus na noite de 10 de janeiro e que a falta de cilindros no Estado do Amazonas teria apenas durado três dias.

Contudo, o presidente da CPI, Omar Aziz, afirmou ter em mãos um documento oficial do Ministério da Saúde que contraria a versão dada pelo ex-ministro.

O senador declarou que o documento menciona que o governador do Amazonas, Wilson Lima, teria alertado o Ministério da Saúde em 07 de janeiro sobre a falta de oxigénio.

“É preciso dizer ao povo brasileiro: não faltou oxigénio no Amazonas apenas três dias, pelo amor de Deus. Ex-ministro Pazuello, pelo amor de Deus. Faltou oxigénio na cidade de Manaus por mais de 20 dias. É só ver o número de mortos, o desespero das pessoas tentando chegar ao oxigénio”, argumentou, por sua vez, o senador Eduardo Braga

O vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues, pediu ainda a quebra dos sigilos bancário, fiscal e de comunicações do ex-ministro Pazuello. O requerimento está relacionado com denúncias de que o Ministério teria usado a pandemia como pretexto para contratar obras sem licitação.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.406.803 mortos no mundo, resultantes de mais de 164,1 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.