PGR considera “caluniosas e difamatórias” acusações a Mota Liz

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Procuradoria-Geral da República (PGR) de Angola considerou, nesta terça-feira, “caluniosas e difamatórias” as acusações de prática de crimes feitas ao vice-procurador geral Mota Liz, pelo portal “A Denúncia”.

Em comunicado de imprensa, o Gabinete de Comunicação e Imprensa da PGR refere que da apreciação da referida matéria verifica-se que os factos em alusão já haviam sido publicados pelo Site “Maka Angola” no ano de 2018.

Nesse ano, o jornalista e investigador angolano Rafael Marques acusou o vice-procurador geral da República, Mota Liz, de ter usurpado o terreno de um cidadão onde estaria a construir um centro comercial, em Luanda.

Esta semana, um outro jornalista de investigação, Carlos Alberto, acusou igualmente o vice-procurador geral da República de se ter apoderado indevidamente de um Imóvel e praticado abuso de poder, tráfico de influência e associação de malfeitores.

A PGR esclarece, no comunicado de imprensa, que na sequência da referida publicação, o vice-procurador geral da República, em carta datada de 12 de Novembro de 2018, solicitou ao Procurador Geral da República a abertura de um inquérito.

Adianta que o inquérito visou apurar a veracidade dos factos que lhe eram imputados, tendo este sido realizado pelo Gabinete de Análise, Consultoria e Inquérito da Procuradoria Geral da República.

Na nota chegada à ANGOP, a PGR precisa que das “diligências probatórias” realizadas no âmbito do inquérito, em Dezembro de 2019, foi produzido um relatório final que não identificou qualquer irregularidade imputável, pelo que foi ordenado o seu arquivamento.

Neste domínio, indica o documento, a PGR constata com satisfação o fomento da actividade jornalística investigativa, o que considera um instrumento valioso da participação social na prevenção e combate ao crime.

Alerta, porém, que a investigação jornalística não traduz a ideia de julgamento e condenação em praça pública e que nenhum Órgão de Comunicação Social se deve substituir aos tribunais.

“Para que seja socialmente útil, a investigação jornalística em matéria criminal, deve ser realizada nos marcos da Constituição, da Lei, da ética, e das melhores práticas profissionais, critérios que inibem o seu autor de actuar como investigador, julgador e tutor da reacção da opinião pública a quem, amiúde, destrata”, adverte.

No comunicado de imprensa, a PGR lembra que a matéria jornalística deve respeitar a presunção de inocência, o bom nome e a reputação das pessoas como limites para o exercício de certos direitos nos termos da Constituição da República de Angola.

Angop

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.