Egito envia ajuda a Gaza e promete financiar reconstrução

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Egito vai enviar ajuda humanitária e dar 500 milhões de dólares (409 milhões de euros) para a reconstrução em Gaza, onde mais de 200 pessoas morrerem em ataques israelitas desde 10 de maio, segundo responsáveis egípcios.

“O Egito disponibilizará 500 milhões de dólares para a reconstrução na Faixa de Gaza depois dos acontecimentos recentes, com empresas egípcias para realizar os trabalhos”, indicou o porta-voz da presidência egípcia na rede social Facebook.

Em relação à ajuda humanitária aos habitantes do enclave palestiniano, a ministra da Saúde egípcia, Hala Zayed, referiu na segunda-feira à noite uma carga de 63 toneladas de ajuda médica no valor de 14 milhões de libras egípcias (730.000 euros), incluindo “botijas de oxigénio, seringas, antibióticos e pomada para queimaduras”.

Além disso, 26 camiões de ajuda alimentar já foram enviados na segunda-feira, segundo uma fonte fronteiriça no território palestiniano de dois milhões de habitantes, sob rigoroso bloqueio israelita há quase 15 anos. E 50 ambulâncias foram mobilizadas para transportar os feridos, segundo a mesma fonte.

Na segunda-feira, os bombardeamentos israelitas destruíram a única clínica que fazia testes ao novo coronavírus na Faixa de Gaza e danificaram as instalações do Crescente Vermelho do Qatar.

Segundo as autoridades locais do enclave pobre e densamente povoado, controlado pelo movimento islâmico Hamas, 213 pessoas morreram, incluindo pelo menos 61 crianças, e mais de 1.440 ficaram feridas desde 10 de maio na Faixa de Gaza. De acordo com a ONU, perto de 40.000 palestinianos foram deslocados e 2.500 estão desalojados.

A passagem de Rafah, na fronteira egípcia, é a única ligação do território com o mundo não controlada por Israel.

O presidente egípcio, Abdel Fatah al-Sissi, ordenou domingo a abertura daquela passagem para permitir o transporte dos feridos de Gaza para hospitais no Egito.

O Ministério da Saúde egípcio disse que 11 hospitais, seis dos quais no Cairo, com uma capacidade de mais de 900 camas e mais de 3.600 médicos e enfermeiros, foram mobilizados para tratar feridos palestinianos.

O conflito eclodiu a 10 de maio com o lançamento de ‘rockets’ pelo Hamas sobre Israel em solidariedade com centenas de manifestantes palestinianos feridos em confrontos com a polícia israelita na Esplanada das Mesquitas, o terceiro lugar sagrado do islão, localizado em Jerusalém Oriental, a zona palestiniana da cidade ocupada por Israel há mais de 50 anos.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.