Governo antecipa encerramento do ano letivo devido ao aumento de casos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O ano letivo vai terminar a 30 de junho, um mês antes do previsto, devido ao aumento significativo de casos de covid-19 no país, segundo um decreto do Ministério da Educação.

A medida consta de um decreto executivo do Ministério da Educação, que refere que foi aprovada uma adenda ao Calendário Escolar Nacional reajustado, com as orientações metodológicas sobre a avaliação da aprendizagem. 

De acordo com o documento, as atividades avaliativas das aprendizagens do ensino pré-escolar, primário e secundário têm início a 24 de maio e devem terminar a 30 de junho. 

Em declarações à Rádio Nacional de Angola (RNA) o secretário de Estado para a Educação Pré-escolar e Ensino Primário, Pacheco Francisco, justificou hoje a medida com o aumento dos números da pandemia, causando receio de nova paralisação. 

“Os números da pandemia têm sido grandes e isso fez com que tivéssemos receios que o ano letivo não terminasse na data prevista, 30 de julho. Fomos obrigados a refazer o calendário por forma a não dar possibilidade de se suspender as aulas, uma vez que determinadas classes tiveram o seu início tarde, como é o caso do pré-escolar”, disse. 

Pacheco Francisco frisou que foi dispensada a prova do professor, mantendo-se apenas as provas trimestrais. 

“Significa que contam as avaliações contínuas que foram realizadas ao longo deste período”, explicou, salientando que o ano letivo termina a 30 de junho. 

A prova trimestral nas classes de transição está marcada para 24 de maio a 04 de junho e para as classes de exame, entre 07 e 18 de junho. 

Angola está a registar desde finais de abril uma subida exponencial de casos de covid-19, com a circulação das variantes inglesa e sul-africana, chegando a atingir quase 400 casos por dia. 

Até quarta-feira, o país acumulou 29.405 casos positivos, 645 mortes e 25.187 recuperados. 

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.333.603 mortos no mundo, resultantes de mais de 160,3 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. 

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China. 

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.