Vítimas das chuvas de Luanda ainda à espera de realojamento

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

As mais de 8.000 pessoas que ficaram desalojadas em consequências das chuvas torrenciais de abril, em Luanda, continuam a aguardar soluções por parte do governo provincial, que está a “preparar o processo”, segundo disse hoje a governadora.

“Tirando algumas iniciativas individuais que foram realizadas, ao nível do Governo Provincial de Luanda (GPL), estamos ainda a preparar o processo, ainda não terminámos”, afirmou Joana Lina, acrescentando que o trabalho terá de ser feito de forma “sistemática, organizada”.

Em 19 de abril, chuvas torrenciais provocaram o caos em Luanda e deixaram 14 mortos e mais de 8.000 pessoas desalojadas e 1.617 casas inundadas. 

A governadora falava em Luanda à margem de uma cerimónia em que foram transferidas estruturas de gestão territorial, até agora geridas por órgãos centrais, para o GPL.

Questionada sobre os problemas com os semáforos da cidade, muitos dos quais sem funcionar, causando constrangimentos no tráfego, Joana Lima respondeu que o funcionamento da província por vezes “choca” com outro organismos e que as fronteiras relativamente às responsabilidades de gestão nem sempre estão delimitadas.

“Isso provoca alguma confusão, estamos preocupados com isto e com a iluminação publica”, respondeu a governadora, sem fornecer mais detalhes.

Sobre a recolha de resíduos, outro problema crítico da capital que há meses preocupa os munícipes de Luanda, admitiu que “não está a ser fácil” para as operadoras selecionadas por concurso, e que iniciaram a limpeza em abril, devido à existência de grandes focos de lixo ainda espalhados pela cidade.

No quadro da descentralização e desburocratização do Estado, foram transferidas várias estruturas de gestão territorial urbana, incluindo património e infraestruturas de vários órgãos centrais para o GPL.

Entre os gabinetes que passam agora para o controlo do GPL para posterior passagem aos municípios contam-se o gabinete de aproveitamento hidráulico do Kikuxi, o gabinete técnico de conversão urbana do Cazenga, o gabinete de requalificação das cidades do Kilamba, Cacuaco e Camama, bem como algumas reservas fundiárias da Zona Económica Especial e reservas mineiras.

A transferência de competências visa, segundo uma nota do GPL, evitar a sobreposição de tarefas e a necessidade de garantir melhor atuação e melhor prestação de serviços aos cidadãos.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.