Polícia detém dois cidadãos estrangeiros que tentavam viajar com testes falsos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A polícia deteve dois cidadãos estrangeiros no aeroporto internacional 4 de fevereiro, que pretendiam viajar com certificados falsos de covid-19, informou o Serviço de Investigação Criminal (SIC).

Uma nota distribuída hoje à imprensa refere que os cidadãos de nacionalidade gambiana e guineense, de 31 e 51 anos, são comerciantes e residentes no país há mais de 15 e 20 anos.

A detenção ocorreu, segunda-feira, no momento do check-in para o embarque de passageiros no voo ET-850 da companhia aérea Etiópia Airlines, que seguiu para Adis Abeba.

Segundo a nota, os dois homens confessaram não ter realizado o teste, que adquiriram ao preço de 75.000 kwanzas e 70.000 kwanzas (cerca de 90 euros).

“Realçar que na sequência, foram realizadas ações para verificar a autenticidade dos comprovativos apresentados pelos passageiros e depois da inserção dos nomes no aplicativo do Ministério da Saúde realizados no Centro de Diagnóstico Laboratorial de Biologia Molecular para SARS-COV-2 (RT-PCR) — Viana, determinou-se que não figuram na base de dados, tendo sido considerados falsos”, realça o comunicado do SIC.

Os dois homens estão implicados no crime de falsificação de documentos e serão presentes ainda hoje ao magistrado do Ministério Público para o primeiro interrogatório e consequente responsabilização criminal.

Angola registou até à presente data um total de 28.875 casos positivos, 636 óbitos e 24.772 recuperados, estando ativos 3.467 casos, dos quais 21 em estado crítico, 35 graves, 138 moderados, 77 com sintomas leves e 3.196 assintomáticos.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.Subscrever

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.306.037 mortos no mundo, resultantes de mais de 158,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.