Angola interdita entrada de estrangeiros não residentes provenientes do Brasil e Índia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Governo angolano decidiu hoje interditar, temporariamente, a entrada no país de estrangeiros não residentes provenientes do Brasil e Índia, determinando “quarentena institucional obrigatória” aos nacionais e estrangeiros residentes oriundos de ambos dos países, devido à covid-19.

A medida, que consta do novo decreto presidencial sobre a situação de calamidade pública no país, foi apresentada hoje, em conferência de imprensa, pelo ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente, Adão de Almeida.

Segundo o diploma legal, que entra em vigor a partir da próxima segunda-feira e se estende até 08 de junho, a interdição temporária é aplicável também a quem tenha feito trânsito em qualquer um dos dois países.

“A quarentena institucional é sujeita à comparticipação”, lê-se no documento.

O reforço das medidas decorre do “aumento acelerado de casos positivos, aumento de mortes por covid-19 e o registo de novas variantes” no país, nomeadamente a sul africana e inglesa, explicam as autoridades angolanas.

O “alto nível de contágio das novas variantes e a respetiva alta letalidade” são outros dos motivos do reforço das medidas.

Todas as 18 províncias já notificaram casos positivos da covid-19, mas Luanda é a única província que regista a circulação comunitária das estirpes inglesa e sul-africana, anunciaram hoje as autoridades.

Angola registou nas últimas 24 horas 276 novos casos da covid-19, dois óbitos e 15 recuperações, anunciou hoje a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta.

O país contabiliza, no total, 28.477 casos positivos, sendo 630 óbitos, 24.713 recuperados e 3.134 casos ativos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.272.332 mortos no mundo, resultantes de mais de 156,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.