Sistema judicial em Angola tem de mudar para combater corrupção, diz Pepetela

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O escritor angolano Pepetela considera que o sistema judicial em Angola tem de ser mudado e aperfeiçoado para que o combate à corrupção seja mais eficaz, afirmando que “há pessoas mal escolhidas” para cargos nessa área.

Admitindo que a corrupção é mais uma praga difícil de combater, Artur Carlos Maurício Pestana dos Santos, conhecido como Pepetela, disse à Lusa que “há certos procedimentos, certas estruturas que foram criadas, muito depressa, que têm de ser mudadas e aperfeiçoadas”.

Por outro lado, o escritor considerou também que “há pessoas que foram mal escolhidas para certos cargos” na justiça angolana, embora sem indicar o nome de ninguém.

Por isso, “a luta começou, vai havendo qualquer coisa, vai acontecendo, tem-se notícias de abertura de uma ação contra uma determinada pessoa”, mas “talvez não nos moldes em que poderíamos pensar”, referiu.

Para Pepetela, o problema, no combate à corrupção, é “esta ser uma experiência nova” em Angola. Por isso, “não há quadros, investigadores, procuradores” preparados para o tipo de processos em questão, porque “as questões financeiras são extremamente complexas”.

Ou seja, “o próprio Estado não estava preparado para encetar uma luta de tão grande dimensão”, concluiu.

O autor de obras como “Utopia” “O desejo de Kianda”, “Jaime Bunda”, entre outros numerosos livros que escreveu, recebeu esta semana o prémio literário dstangola/Camões das mãos do primeiro-ministro português, António Costa, numa cerimónia no Centro Cultral de Belém em Lisboa que assinalou o Dia Mundial da Língua Portuguesa, 5 de maio, onde deu uma entrevista conjunta à Lusa e à Deutch Vela.

O prémio foi-lhe atribuído pelo seu mais recente livro “Sua Excelência, de Corpo Presente”.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.