Casos de infeção no mundo são quase 156 milhões desde início da pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A pandemia do novo coronavírus está quase a atingir os 156 milhões de casos de infeção a nível mundial, com mais de 850 mil novos contágios nas últimas 24 horas, de acordo com o balanço diário da France-Presse (AFP).

No total, e desde que o novo coronavírus (SARS-CoV-2) foi identificado na China em dezembro de 2019, pelo menos 155.981.070 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados em todo o mundo.

A grande maioria dos pacientes recupera da doença covid-19, provocada pelo SARS-CoV-2, mas uma parte destas pessoas ainda relatam sentir alguns sintomas associados durante semanas ou mesmo até meses, segundo a agência noticiosa AFP.

Desde o início da crise sanitária, a covid-19 já provocou pelo menos 3.258.595 vítimas mortais no mundo, de acordo com o mesmo balanço da agência francesa.

Nas últimas 24 horas, registaram-se mais 13.956 óbitos e 850.571 novos casos da doença em todo o mundo, números em linha com os valores do dia anterior (14.323 mortes e 828.214 novos casos).

A agência noticiosa francesa esclarece que estes números estão fundamentados nos balanços fornecidos diariamente pelas autoridades sanitárias de cada país e excluem as revisões realizadas posteriormente por organismos de estatística, como ocorre na Rússia, Espanha e no Reino Unido.

Os países que registaram mais mortes nas últimas 24 horas foram, e de acordo com os respetivos balanços nacionais, a Índia com 3.915 óbitos, o Brasil (2.550) e os Estados Unidos (776).

Os Estados Unidos continuam a ser o país mais afetado a nível global, tanto em número de mortos como de casos, com um total de 580.064 mortes entre 32.605.023 casos recenseados, segundo a contagem da universidade norte-americana Johns Hopkins.

Depois dos Estados Unidos, a lista dos países mais afetados em termos globais continua a ser composta pelo Brasil (416.949 mortos e 15.003.563 casos), pela Índia (234.083 mortos e 21.491.598 casos), pelo México (218.173 mortos e 2.358.831 casos) e pelo Reino Unido (127.583 mortos e 4.428.553 casos).

Ainda entre os países mais afetados, e segundo a análise da AFP, a Hungria é atualmente aquele que conta com mais mortos em relação à sua população, com 293 óbitos por cada 100.000 habitantes, seguido por outros quatro países também europeus e que superam igualmente a barreira das duas centenas de mortes: República Checa (276), Bósnia (267), Montenegro (243) e Macedónia do Norte (242).

Por regiões do mundo, a Europa totalizava até hoje às 10:00 TMG 1.086.526 mortes em 51.243.444 casos de infeção confirmados, a América Latina e as Caraíbas 943.892 mortes (29.557.728 casos), os Estados Unidos e o Canadá 604.552 mortes (33.867.256 casos), a Ásia 365.219 mortes (28.650.088 casos), o Médio Oriente 133.721 mortes (8.008.076 casos), a África 123.625 mortes (4.610.526 casos) e a Oceânia 1.060 mortes (43.956 casos).

Desde o início da pandemia, o número de testes de diagnóstico realizados aumentou significativamente e as técnicas de despistagem e rastreio melhoraram, levando a um aumento das infeções registadas e comunicadas.

No entanto, de acordo com a AFP, o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do real número total de infeções, com uma proporção significativa de casos menos graves ou assintomáticos a não serem recenseados.

Este balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Devido a correções feitas pelas autoridades ou a notificações tardias, o aumento dos números diários pode não corresponder exatamente aos dados publicados no dia anterior, segundo referiu a AFP.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.