Namíbia impede casal homossexual de levar filhas para casa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O namibiano Phillip Lühl e o mexicano Guillermo Delgado lutam, há um mês, para que as autoridades da Namíbia permitam que levem suas filhas Maya e Paula para casa, frutos de uma gestação de aluguel na África do Sul.

Até o momento, as pequenas estão em Joanesburgo com Phillip e a mãe dele, e nada parece interferir em seus cochilos e horas de mamadeiras.

As gêmeas nasceram em meados de março de uma gestação de aluguel na África do Sul e, desde então, seus pais – os arquitetos Phillip Lühl, de 38 anos, e Guillermo Delgado, de 36 – tentam levá-las para Windhoek, a capital de Namíbia, onde vivem.

As autoridades namibianas exigem, porém, uma comprovação de seu vínculo biológico. O casal foi aos tribunais. Na segunda-feira (19), o tribunal de Windhoek deve se pronunciar a respeito.

Phillip Lühl tem a esperança de, pelo menos, conseguir documentos temporários para voltar para Windhoek, onde está seu marido e seu outro filho, Yona, de dois anos.

Antes do nascimento das gêmeas, o casal solicitou às autoridades namibianas documentos de viagem para elas, para garantir que todos voltassem juntos para casa.

Porém, “para a nossa surpresa, este pedido inocente foi rejeitado”, explica Lühl à AFP.Continue sempre bem informado.Assine o Estado de Minas

“Aqui estou, na África do Sul, com as meninas e sem poder viajar. Não posso voltar para a Namíbia”, conta Lühl.

Sua mãe, Frauke, de 70 anos, a avó das pequenas, aproveita para dar a mamadeira para uma delas, enquanto a outra dorme.

Para o casal, não existe nenhuma base legal que exija um teste de DNA, e ambos acreditam que as autoridades namibianas estejam cometendo um ato de “discriminação”, porque são homossexuais.

“Isso nunca foi pedido a um casal heterossexual, ou a uma mãe solteira namibiana que deu à luz na África do Sul”, afirmam os dois homens, indignados, acrescentando que os pais de crianças adotadas também não passam por uma situação dessas.

O governo namibiano nega que seja uma discriminação, em um país no qual a homossexualidade ainda é ilegal, embora a lei da sodomia que data de 1927 raramente seja aplicada.

– “Rejeição absoluta” –

O ministro namibiano do Interior, Frans Kapofi, “não concordou com o pedido de emissão de documentos de viagem para as gêmeas, porque seu direito à nacionalidade namibiana por filiação não foi estabelecido”, declarou o governo num comunicado no mês passado, quando o casal levou o caso aos tribunais.

O caso despertou uma onda de solidariedade no país. Quando o casal recorreu à Justiça para obter os documentos de viagem, houve manifestações em frente ao tribunal.

O casal também aguarda que a Justiça da Namíbia se pronuncie sobre o caso da nacionalidade de seu filho mais velho, que também nasceu de uma barriga de aluguel.

Phillip e Guillermo só não esperavam encontrar tantos problemas na hora de conseguir os documentos de viagem para suas filhas.

“Estávamos preparados […], mas não para essa rejeição absoluta do governo”, admite Phillip Lühl, que garante que ainda está otimista.

Diante da rejeição do governo, a única coisa que Lühl enxerga é que a “homofobia do Estado continua muito presente”.

A África do Sul é, desde 2006, o único país africano onde o casamento homoafetivo é legal. Vários países vizinhos, como Botsuana, Moçambique e Angola descriminalizaram a homossexualidade.

Com a voz baixa, Phillip Lühl promete que depois contará essa batalha judicial para suas filhas e como foi difícil levá-las para casa quando eram apenas dois bebês muito pequenos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.