UNITA propõe anulação de contratos com operadoras de recolha de lixo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A UNITA propôs, nesta quinta-feira, a anulação dos contratos com as empresas selecionadas e consideradas sem capacidade técnica para a recolha dos resíduos sólidos em Luanda.

O Governo Provincial de Luanda apurou, recentemente, depois de um concurso público em que foram apresentadas 69 propostas, sete operadoras para a limpeza da capital país.

Trata-se da Empresa de Limpeza e Saneamento de Luanda (ELISAL-EP), indicada para os municípios de Luanda e Cazenga, ER-Sol ( Icolo e Bengo), Sambiente (Quiçama e Viana), Multilimpeza (Cacuaco), Jump Business (Belas), Chay Chay ( Kilamba Kiaxi) e o Consórcio Dassala/Envirobac (Talatona). 

O processo para a contratação de novas operadoras, que iniciou a 24 de Fevereiro de 2021, teve a participação de 69 empresas, 39 das quais cumpriram com os requisitos, com sete apuradas.

O concurso lançado pelo GPL surgiu na sequência do Despacho Presidencial de 23 de Fevereiro, que autoriza a despesa e formaliza a abertura do procedimento de contratação  emergencial no valor de trinta e quatro mil milhões , 885 milhões, 662 mil e 22 Kwanzas para  serviços de limpeza pública e recolha de resíduos  sólidos.

Falando, nesta quinta-feira, em conferência de imprensa para abordar, entre outros assuntos, a audição de alguns membros do Executivo, o presidente do grupo parlamentar da UNITA, Liberty Chiaca, avançou também como soluções uma limpeza emergencial da cidade com a remoção de todos focos de lixo.

Os deputados do partido do galo negro propõem, igualmente, a restauração do sistema de drenagem e reconstrução das infra-estruturas danificadas de água e rede electrica, bem como a reavaliação do sistema de recolha e tratamento de resíduos sólidos e propostas de medidas para torna-los sustentável e resiliente.

A UNITA avança também como solução a aplicação de um plano emergencial de medidas  sanitárias de prevenção contra doenças que podem ocorrer por causa do lixo e como consequência das chuvas.

De acordo com o líder do grupo parlamentar da UNITA, a crise do lixo é uma prova de que a descentralização político-administrativa, por via da institucionalização do poder local autónomo, é fundamental para corrigir situações que caracterizam a Administração Pública, permitindo a existência de um novo modelo de recolha, tratamento e gestão dos resíduos sólidos de modo transparente, descentralizado e sem dependência.

A UNITA manifestou-se também preocupada com a falta de resposta da solicitação feita ao Presidente da Assembleia Nacional para uma audição conjunta aos ministros da Cultura, Turismo e  Ambiente, Finanças, Saúde e a governadora da Província de Luanda.

A província de Luanda produz, diariamente, pelo menos seis mil 800 toneladas de resíduos sólidos, que eram recolhidos, até 2020, por seis operadoras de limpeza.  

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.