Brasil chega a 13,5 milhões de casos e aproxima-se de 355 mil mortes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Brasil somou 1.480 mortes e 35.785 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, chegando assim aos 13,5 milhões de infeções (13.517.808) e a 354.617 óbitos, informou o executivo.

Os números fazem parte do último boletim epidemiológico, difundido na segunda-feira pelo Ministério da Saúde brasileiro, e dá conta de taxa de incidência da doença no país de 169 mortes e 6.433 casos por 100 mil habitantes.

Os dados de hoje ficam muito abaixo dos números atingidos na semana anterior, quando o país alcançou sucessivos recordes de mortes, chegando ao máximo histórico de 4.249 óbitos num só dia.

Segundo explicações da própria tutela da Saúde, essa diminuição deve-se à falta de recursos humanos ao fim de semana para testar e recolher os dados, sendo que estes acabam por ser consolidados às terças-feiras.

Contudo, o Brasil, com cerca de 212 milhões de habitantes e que é o segundo país com mais mortes em todo o mundo e o terceiro com mais casos, continua a ser a nação que mais vítimas mortais registou nas últimas 24 horas, acima da Índia e dos Estados Unidos.

Geograficamente, São Paulo (2.648.844), Minas Gerais (1.228.659), Rio Grande do Sul (892.087) e Paraná (884.065) são os Estados que concentram mais diagnósticos confirmados de covid-19.

Por outro lado, as unidades federativas com mais óbitos são São Paulo (83.098), Rio de Janeiro (39.444), Minas Gerais (28.090) e Rio Grande do Sul (22.047).

No momento em que o Brasil atravessa a sua pior fase na pandemia, os presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados do Brasil pediram ao secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, ajuda para melhorar o acesso do país às vacinas contra a covid-19.

“Expusemos a situação dramática do Brasil” e “reforçámos o pedido de ajuda à ONU para que o país se converta numa prioridade para o consórcio Covax Facility, a fim de que haja uma antecipação na entrega das vacinas”, explicou o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, nas redes sociais.

O consórcio Covax Facility é uma iniciativa que reúne cerca de 150 países e visa garantir uma distribuição equilibrada de vacinas, das quais o Brasil reservou 42 milhões de doses, mas ainda não recebeu nenhuma.

Além dessas, o Governo brasileiro, presidido por Jair Bolsonaro, assegura ter “contratado” outras 500 milhões de doses de imunizantes a diversos laboratórios, suficientes para vacinar os 212 milhões de brasileiros e que deverão chegar ao país ao longo deste ano.

No entanto, o processo de imunização avança muito lentamente no Brasil e, até ao momento, segundo dados oficiais, apenas 26 milhões de pessoas foram vacinadas, a grande maioria com a primeira das duas doses necessárias.

O Instituto Butantan, que têm acordos para a produção do antídoto desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac, enviou na segunda-feira um novo lote da Coronavac para o Ministério da Saúde com 1,5 milhão de doses do imunizante. O novo lote faz parte das 46 milhões de doses contratadas pelo Plano Nacional de Imunizações (PNI).

Até ao momento foram entregues 39,7 milhões de doses ao PNI, 86,3% do total acordado com o Ministério da Saúde.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa, órgão regulador do Brasil) informou na segunda-feira que adiou para o 19 de abril o início da inspeção nas duas fábricas da vacina Sputnik V na Rússia.

A inspeção, inicialmente marcada para decorrer entre 15 e 21 de abril, irá realizar-se entre 19 a 23 deste mês, após um pedido do Fundo Soberano Russo.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.937.355 mortos no mundo, resultantes de mais de 135,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.