África do Sul anuncia campanha de vacinação em massa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A África do Sul anunciou hoje o lançamento de uma campanha de vacinação em massa contra a covid-19, pretendendo inocular mais de 40 milhões de pessoas até fevereiro de 2022.

África do Sul anuncia campanha de vacinação em massa

“Temos agora asseguradas as vacinas necessárias e podemos avançar com confiança com a nossa campanha de lançamento em massa”, disse o ministro da Saúde, Zweli Mkhize, citado pela agência Associated Press.

Mkhize anunciou que durante esta semana, a África do Sul finalizou a compra de 51 milhões de doses: 31 milhões da unidose da Johnson & Johnson e 20 milhões da vacina da Pfizer, administrada em duas doses.

A campanha de vacinação na África do Sul tem avançado de forma lenta, pretendendo o executivo sul-africano acelerá-la com a entrega, este mês, de três milhões de doses da vacina da Johnson & Johnson e seis milhões de doses da Pfizer.

As entregas seguintes deverão assegurar ao Governo a capacidade para vacinar dois terços da população de 60 milhões de pessoas até ao início de 2022.

A atuação do Governo sul-africano tem sido alvo de críticas pelos profissionais de saúde e pela população do país, que censuram a demora da aquisição das vacinas.

A África do Sul é o país africano mais afetado pela pandemia de covid-19, registando mais de 1,5 milhões de casos confirmados, incluindo 53.173 mortes, totalizando mais de 30% das 4,3 milhões de infeções oficiais no continente. Da mesma forma, é também responsável por quase metade das mortes no continente.

Os especialistas em saúde alertam que o país poderá enfrentar um ressurgimento de infeções depois dos feriados da Páscoa, que se conjuga com a aproximação do tempo frio no hemisfério sul.

A primeira fase do plano de vacinação comporta a administração de doses a 1,2 milhões de profissionais de saúde, sendo que, até à data, pouco mais de 283 mil trabalhadores foram vacinados desde meados de fevereiro, quando o Governo autorizou a inoculação com a vacina da Johnson & Johnson.

Esta campanha acabou por ser condicionada pela chegada das vacinas em pequenos lotes, que limitavam a vacinação a pouco mais de 6.000 doses por dia.

Com estas novas vacinas, o executivo espera ultrapassar as 300.000 doses por dia, com a administração em hospitais, clínicas, consultórios médicos, farmácias, centros comerciais e locais de trabalho, segundo Mkhize.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.903.907 mortos no mundo, resultantes de mais de 133,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um coronavírus (SARS-CoV-2) detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.