PR homenageia combatentes da paz

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Presidente da República, João Lourenço, rendeu, nesta sábado, “profunda homenagem” a todos os angolanos que se sacrificaram para tornar possível o fim do conflito armado e o alcance da paz no país.

Em mensagem por ocasião do 4 de Abril, Dia da Paz e da Reconciliação Nacional, o Chefe de Estado angolano estendeu a homenagem a todos que perderam a vida para tornar possível o sonho da paz.

“Uma palavra de reconhecimento ao Presidente José Eduardo dos Santos, pela magnanimidade demonstrada, na altura dos acontecimentos que determinaram a oportunidade de fazer a paz”, expressou João Lourenço.

O Titular do Poder Executivo considerou que o Dia da Paz deve ser uma jornada de profunda introspeção e reflexão, sobre o papel que cabe a cada partido político, organização da sociedade civil, igreja e cidadão, individualmente.

Segundo o Presidente João Lourenço, no centro dessa profunda introspeção e reflexão deve estar a preservação, a consolidação da Paz e da Reconciliação Nacional, tendo em vista o engrandecimento e a prosperidade do país.

Na mensagem, o Estadista angolano sublinhou a ligação existente entre o 4 de Abril e o 23 de Março, data que consagra a “nossa vitória na Batalha do Cuito Cuanavale sobre o Exército do regime do Apartheid”.

Considerou que a vitória na Batalha do Cuito Cuanavale tornou possível a independência da Namíbia, a democratização da África do Sul e o começo do fim do conflito em Angola, bem como a transformações políticas na África Austral.

“Em Angola, com a solene assinatura aos 4 de Abril de 2002 do Memorando de Entendimento entre o Governo legítimo e a UNITA, a Paz e a Reconciliação Nacional tornaram-se uma realidade, e os irmãos desavindos perdoaram-se mutuamente”, frisou o Presidente João Lourenço.

Após recordar que o passado foi doloroso, de muita angústia e sofrimento, o Chefe de Estado adiantou que hoje o compromisso colectivo de toda a Nação é o de evitar e impedir, em definitivo, o regresso do conflito que se abateu sobre Angola e se manteve por quase três décadas.

Sobre os ganhos da paz que o país desfruta há 19 anos, o Presidente da República destacou o início da reconstrução das infra-estruturas destruídas, bem como os investimentos nas vias de comunicação rodoviárias e ferroviárias.

De igual modo destacou os investimentos feitos em portos, aeroportos, na construção de habitações, em estabelecimentos de ensino e unidades hospitalares de diferentes categorias.

João Lourenço também destacou os ganhos no aprofundamento da democracia, das liberdades e garantias dos cidadãos e uma maior abertura ao mundo. 

“Fizemos avanços significativos no combate à corrupção e na melhoria do ambiente de negócios”, pontualizou.

Acrescentou que Angola deu início, com algum sucesso, à diversificação da economia, “processo que teria progredido muito mais não fosse o surgimento da pandemia do novo coronavírus, o Covid-19.

A 4 de Abril de 2002, o Governo angolano e a UNITA assinaram o Memorando de Entendimento Complementar ao Protocolo de Lusaka, que pôs fim à guerra no país, após vários anos de conflito armado.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.