Espanha vira-se para África e elege Angola como prioridade

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Espanha está atenta a Africa e elegeu como prioritários um conjunto de cinco países entre os quais Angola, que o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez visita no início de abril, disse o embaixador daquele país em Luanda, Manuel Ruigómez.

Espanha vira-se para África e elege Angola como  prioridade

A última visita de um chefe de estado espanhol a Angola aconteceu em 1991, quando Felipe González liderava o governo espanhol, e chegou a estar prevista a vinda de Mariano Rajoy em março de 2018, mas a deslocação acabou por ser cancelada devido à situação política na Catalunha.

Com a visita de Pedro Sánchez, que inicia em Angola um curto roteiro que vai passar também pelo Senegal, Espanha quer destacar a crescente importância de África na sua política externa e mostrar-se disponível para apoiar o desenvolvimento dos países africanos através do investimento.

“Espanha está a olhar com mais intensidade para Africa e aprovou há dois anos um novo plano em que Africa ganha mais importância na política exterior”, salientou Manuel Hernández Ruigoméz em entrevista à Agência Lusa, destacando que Angola é um dos cinco países prioritários nesta estratégia, juntamente com a África do Sul, Nigéria, Etiópia e Senegal.

O diplomata lembrou que Angola tem atraído o interesse de Espanha desde que conquistou a independência, em 1975, e o primeiro-ministro castelhano à época Adolfo Suarez, chegou a encontrar-se com o seu homólogo angolano, Lopo do Nascimento, em 1976, em Madrid.

Desde então, a relação entre os dois países tem sido “sempre forte e intensa”, realçou, considerando que o futuro de África depende do seu desenvolvimento e que os europeus “deve estar próximos dos seus vizinhos do Sul” para que “juntos”, possam contribuir para o progresso daquele continente.

Espanha tem tido até agora uma política externa mais direcionada para a América Latina, já que este é o continente mais próximo do ponto de vista histórico e cultural, mas Ruigómez defende uma maior aproximação europeia a África onde subsistem problemas que devem ser acautelados, como a imigração e a pobreza.

“Penso que Espanha, tal como Portugal, devem prestar mais atenção a estes problemas. Estamos juntos no mundo, como se vê agora com a pandemia, que ignora as fronteiras. Esta é a nossa fronteira sul e devemos cuidá-la”, assinalou o embaixador.

Para Ruigómez, as soluções para que os países africanos ultrapassem o subdesenvolvimento passam pelo investimento.

“Por isso, achamos que fomentando o investimento das nossas empresas e dos nossos investidores públicos e privados podemos ajudar a sair Angola e outros países de uma situação económica difícil”, salientou.

O diplomata elogiou igualmente o combate à corrupção levado a cabo pelo chefe do executivo angolano, João Lourenço, desde que chegou à presidência, em 2017, que considerou “muito importante” para facilitar a vinda de investidores espanhóis.

Também essenciais são outras iniciativas como os pacotes legislativos que o governo e a Assembleia Nacional têm vindo a aprovar no domínio da facilitação dos negócios, apontou, lamentando que a pandemia esteja a travar os intercâmbios entre os países.

Se não fosse a covid-19, Angola estaria a atrair mais investimento, acredita, indicando entre as medidas legislativas relevantes, o facto de ter deixado de ser obrigatório fazer parcerias com sócios angolanos para investir no país.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.