Militares sul-africanos estão a proteger nacionais em Cabo Delgado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, disse hoje que militares sul-africanos estão a garantir em Cabo Delgado a segurança dos seus cidadãos afetados pelos atentados terroristas no norte de Moçambique.

“Estamos a lidar com a situação [de insegurança], acompanhando constantemente os acontecimentos. Já atendemos à retirada de sul-africanos retidos em Moçambique, tendo a Força Nacional de Defesa repatriado o corpo de um sul-africano que morreu, e continuamos envolvidos em garantir a segurança dos nossos cidadãos em Moçambique, em Pemba e em Palma”, declarou o Presidente Ramaphosa.

“A Força Nacional de Defesa [SANDF, na sigla em inglês] está a trabalhar intensivamente para garantir a segurança de sul-africanos”, adiantou.

O chefe de Estado sul-africano falava a jornalistas à margem de uma cerimónia do partido no poder, realizada esta manhã, em homenagem à ativista Winnie Madikizela-Mandela, no Soweto, arredores de Joanesburgo.

A África do Sul reforçou em 27 de março a sua missão diplomática em Moçambique na sequência do ataque terrorista na cidade de Palma, junto aos projetos de gás no norte do país, anunciou o Governo de Pretória.

Seis cidadãos sul-africanos foram resgatados na passada terça-feira, pela Força Área sul-africana, segundo o Ministério da Cooperação e Relações Internacionais (DIRCO, na sigla em inglês).

A operação de evacuação para a África do Sul, realizada pela Força Aérea Sul-Africana (SAAF, na sigla em inglês), envolveu também o repatriamento dos restos mortais de um homem sul-africano de 40 anos que morreu nos atentados terroristas na sexta-feira, na vila de Palma, norte da província moçambicana de Cabo Delgado, referiu em comunicado.

Na segunda-feira, o embaixador da África do Sul em Moçambique, Siphiwe Nyanda, estimou ao canal público SABC que há 50 cidadãos sul-africanos afetados pelos atentados terroristas no norte do país vizinho desde quarta-feira.

A violência desencadeada há mais de três anos na província de Cabo Delgado ganhou uma nova escalada há uma semana, quando grupos armados atacaram pela primeira vez a vila de Palma, que está a cerca de 25 quilómetros dos multimilionários projetos de gás natural.

Os ataques provocaram dezenas de mortos e obrigaram à fuga de milhares de residentes de Palma, agravando uma crise humanitária que atinge cerca de 700 mil pessoas na província, desde o início do conflito, de acordo com dados das Nações Unidas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.