FED intensifica pressão para que bancos abandonem taxa Libor

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Federal Reserve (banco central americano) está a intensificar a pressão para que os bancos parem de vincular empréstimos à taxa interbancária de Londres, conhecida como Libor.

Depois de cair em descrédito uma década atrás, na esteira de um escândalo de manipulação, os maiores bancos e reguladores do mundo devem abandonar a referência de empréstimos de curto prazo até o final do ano. Mas os credores demoraram a mudar.

No início desta semana, o vice-presidente de supervisão do Fed, Randal Quarles, repetiu advertências anteriores de que o banco central investigaria os bancos se eles não parassem de usar a Libor em novas transações até o final de 2021. Os diretores financeiros das principais corporações dos Estados Unidos ainda não decidiram sobre as alternativas e poucos bancos começaram a oferecer empréstimos comerciais vinculados a uma nova taxa.

Mesmo com as perspetivas de mudanças, empréstimos vinculados ao Libor aumentaram no ano passado. Cerca de US$ 223 bilhões em contratos agora fazem referência à Libor – que ajuda a definir os custos de empréstimos para tudo, desde empréstimos comerciais a hipotecas – em comparação com US$ 199 bilhões no final de 2016, de acordo com o último relatório do Comitê de Taxas de Referência Alternativas, um grupo do setor financeiro formado por grandes bancos, seguradoras e gestores de ativos ao lado do Fed de Nova York.

O aumento é um sinal de que os credores ainda não abraçaram totalmente o substituto preferido do Fed: a taxa de financiamento garantida overnight, ou SOFR. Tanto que cerca de dois terços das empresas americanas pesquisadas pelo ARRC que recebem dinheiro emprestado de grandes bancos disseram que não lhes foram apresentadas alternativas ao Libor.

Fonte: AFP

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.