MPLA diz que manifestações “não geram empregos” e pede paciência a famílias

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O MPLA reconheceu hoje que muitas empresas e cidadãos angolanos vivem “situações de penúria” e exortou as famílias a esperar dias melhores e “disciplinarem os seus membros a controlar os ânimos”, observando que “manifestações não geram empregos”.

MPLA diz que manifestações

“Reconhecemos (…) que muitas das empresas e famílias ainda vivem situações de escassez, de penúria, de desemprego para a juventude, que exige trabalho e melhores condições, este é um desafio que é colocado nas mãos de todos os angolanos para, em conjunto, ultrapassarmos todas as dificuldades”, afirmou hoje o presidente do grupo parlamentar do MPLA, Américo Kuononoca.

O líder parlamentar do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA, no poder desde 1975) pretendeu transmitir uma mensagem de coragem às famílias angolanas e a juventude, realçando que, em ambiente de crise, “é a solidariedade familiar, solidariedade social e o voluntariado que podem minorar o sofrimento e a escassez”.

O posicionamento do político do MPLA foi apresentado hoje na sua declaração política alusiva à sétima reunião plenária extraordinária da quarta sessão legislativa da quarta legislatura da Assembleia Nacional.

Ciente das atuais dificuldades socioeconómicas por que passam diariamente várias famílias e empresas pelo país, exortou, sobretudo os jovens, a observarem a “disciplina e obediência”, considerando que, embora sendo um direito, “as manifestações não geram emprego”.

“Nunca são as manifestações que resolvem outras necessidades das nossas populações, mas sim a vontade de superar, com espírito patriótico, com a competência profissional, a disciplina, a obediência, a oferta e a cooperação entre trabalhadores e entidade patronal, isto sim é que nos permite superar”, defendeu o político.

Cidadãos de diferentes estratos sociais, sobretudo jovens, têm promovido nos últimos tempos várias manifestações, em Luanda e no interior de Angola, exigindo melhores condições de vida e emprego, melhoria das condições de vida e realização de eleições autárquicas, entre outros.

Américo Kuononoca exortou ainda os jovens a superar as dificuldades “com resiliência” e “nunca com ódio entre classes ou grupos”.

Os mais abastados “devem solidarizar-se com os que menos têm, o Estado deve exercer a sua função e as famílias devem educar e disciplinar os seus membros a controlar os ânimos esperando por dias melhores”, incentivou.

“Não afrontando autoridades, não injuriando ou ameaçando outros cidadãos, não fazendo zombaria sobre a condição dos outros em agonia ou aflição, mas promovendo o espírito e a dignidade de cada um de nós”, acrescentou.

A revisão constitucional proposta pelo Presidente angolano, João Lourenço, foi igualmente um dos temas elencados na intervenção de Américo Kuononoca para quem o chefe de Estado angolano e líder do MPLA “são a razão da estabilidade política” no país.

Para o deputado do MPLA, a iniciativa de revisão pontual da Constituição da República de Angola (CRA) sinaliza “respostas que João Lourenço tem dado a diferentes situações apresentadas pela sociedade civil”.

“Ouvimos e lemos mensagens precipitadas que se apressam em encontrar falhas ou nos impor doutrinas que não colhem na nossa sociedade, com desconfianças e suspeições imaginadas pelos profetas do ceticismo e do pessimismo, por discordarem ou não compreenderem o sentido da iniciativa do Presidente da República”, atirou.

Porém, notou, a discussão na sessão plenária no parlamento, em 18 de março, que aprovou a admissão das propostas de revisão da CRA para a consequente discussão nas comissões especializadas do parlamento, “já esclareceu amplamente os principais pontos de discórdia”.

Na plenária desta quarta-feira, o parlamento angolano aprovou também a lei que altera a Lei sobre as Áreas de Conservação Ambiental, apenas com votos favoráveis do MPLA, visando acomodar a exploração de recursos minerais, petróleo e gás nas zonas protegidas.

As alterações à lei sobre as Áreas de Conservação, argumentou Américo Kuononoca, “vêm responder ao desígnio de garantir um equilíbrio entre a preservação do ambiente e a garantia da sobrevivência das gerações futuras procurando conhecer os recursos existentes no subsolo”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.