Antigos combatentes da Guiné-Bissau recusam pagar novos impostos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Os antigos combatentes da Guiné-Bissau recusaram-se hoje a receber a pensão de reforma e acusaram o Governo de “brincadeira de mau gosto” por lhes estar a cobrar impostos sobre uma pensão de cerca de 61 euros.

Antigos combatentes da Guiné-Bissau recusam pagar novos impostos

Centenas de membros da associação dos veteranos de guerra da independência da Guiné-Bissau comparecerem diante da Secretaria de Estado dos Combatentes da Liberdade da Pátria, em Bissau, e nas delegações regionais, para exigir que o Governo volte atrás com a cobrança de alguns impostos.

Houve momentos de alguma tensão, com alguns dos veteranos a ameaçar “usar outros métodos, se for necessário”.

Domingos Tambá, da Associação dos Filhos de Combatentes de Liberdade da Pátria, disse ter dado orientações aos seus associados para não receberem o dinheiro correspondente à pensão do mês de março, após os descontos realizados pelo Governo, nomeadamente imposto profissional, selo e taxa de eletricidade.

“Um reformado ou pensionista do Estado não tem nada que pagar o imposto profissional, imposto de selo ou imposto de eletricidade”, observou Domingos Tambá.

O dirigente afirmou que a maioria dos veteranos de guerra aufere pouco mais de 40 mil francos CFA (cerca 61 euros).

Com os descontos, “com que dinheiro vai viver?”, questionou.

“Quando esta gente estava a trabalhar para o Estado guineense a geração atual ainda nem sequer era nascida. Agora cabe à atual geração descontar para a próxima geração”, notou Domingos Tambá.

Fonte da Secretaria de Estado dos Combatentes da Liberdade da Pátria disse à Lusa que o titular da pasta, Augusto Nhaga, já contactou o Ministério das Finanças para “tentar resolver a situação a bem”.

O presidente da associação defendeu que a situação “vem justificar” aquilo que é a sua avaliação sobre a forma como o problema dos veteranos da luta pela independência tem sido tratado na Guiné-Bissau.

“Sempre dissemos que as pessoas estão a brincar com os combatentes da liberdade da pátria. Para nós, filhos dos combatentes, é um insulto para os nossos pais”, observou Domingos Tambá.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.