Junta declara lei marcial em duas áreas de Rangum, após 18 mortos em confrontos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A junta no poder em Myanmar impôs hoje a lei marcial em duas áreas da zona metropolitana de Rangum, anunciou a televisão estatal, depois de pelo menos 18 mortes em confrontos entre manifestantes e forças de segurança.

Junta declara lei marcial em duas áreas de Rangum, após 18 mortos em confrontos

A junta atribui “o poder administrativo e judicial da lei marcial ao comando regional de Rangum para que o exerça nas áreas de Hlaing Tharyar, onde confrontos causaram hoje 15 mortos, e de Shwepyitha (…) a fim de garantir a segurança, manter o Estado de direito e a tranquilidade de modo mais eficaz”, declarou um apresentador do telejornal.

Pelo menos 18 pessoas foram mortas hoje em Myanmar (antiga Birmânia) em manifestações contra o golpe de Estado militar, um dos balanços mais pesados desde o início dos protestos e um dia depois de um vibrante apelo à resistência contra a “ditadura injusta” feito por um dirigente da oposição.

Em Rangum, a capital económica, na área de Hlaing Tharyar, polícias e soldados enfrentaram manifestantes armados com paus e facas, que se escondiam atrás de barricadas improvisadas e que fugiram quando as forças de segurança abriram fogo.

“Posso confirmar que 15 morreram”, declarou uma médica à agência France Presse, adiantando ter tratado cerca de 50 feridos e que esperava um aumento do número de mortos.

No bairro de Tamwe em Rangum, o jornal da noite confirmou uma outra morte, indicando que centenas de manifestantes tentaram incendiar uma esquadra da polífica, levando as autoridades a disparar para os dispersar.

Cenas de caos semelhantes ocorreram durante todo o dia noutras regiões do país, com uma pessoa morta a tiro na cidade de Hpakant no norte de Myanmar, e uma mulher morta com um tiro na cabeça em Mandalay, a segunda cidade birmanesa.

De acordo com a Associação para a Assistência a Presos Políticos (AAPP) em Myanmar, mais de 80 pessoas já tinham morrido devido à repressão da polícia e dos militares desde o golpe de Estado, a 1 de fevereiro.

Além disso, as autoridades sob o comando da Junta Militar prenderam 2.134 pessoas, das quais 1.815 permanecem sob custódia.

Os protestos de hoje ocorreram depois de, no sábado à noite, o líder interino do Governo civil do país, composto por parlamentares depostos pela Junta Militar, ter pedido uma “revolução” para restaurar a democracia.

“Para formar uma democracia federal, com todos os irmãos dos grupos étnicos que sofreram todos os tipos de opressões da ditadura por décadas, esta revolução é uma oportunidade de unir nossos esforços”, disse Mahn Win Khaing Than, num discurso de seis minutos na rede social Facebook.

O exército deteve a maioria do Governo eleito, incluindo a líder, Aung San Suu Kyi, e o presidente, Win Myint, na manhã do golpe, além de cancelar a posse da legislatura marcada para o mesmo dia.

Os militares justificam o golpe com uma alegada fraude eleitoral nas eleições de novembro passado, que o partido da líder deposta Aung San Suu Kyi venceu por grande margem e que foram qualificadas de legítimas por observadores internacionais.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.