ONU adia para 2024 subida de Angola de graduação de País Menos Avançado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A Assembleia-Geral das Nações Unidas adotou hoje uma resolução que adia para 2024 a subida de Angola da categoria de País Menos Avançado, com a ONU, a União Europeia e os Estados Unidos a reiterarem o apoio ao país.

A resolução que adia para 2024 a subida de Angola da categoria de País Menos Avançado (PMA) para a de País de Rendimento Médio (PRM) foi hoje adotada pela Assembleia-Geral da ONU, com o título “Extensão do período preparatório precedente à graduação de Angola da categoria de País Menos Avançado”.

A subida de categoria de Angola estava marcada para fevereiro de 2021, mas foi agora adiada por três anos, devido à vulnerabilidade socioeconómica do país, dificuldades trazidas pela pandemia de covid-19, vários anos consecutivos de “recorrente recessão económica” e falta de diversificação económica, segundo a resolução, consultada pela agência Lusa.

Os Estados Unidos pronunciaram-se durante a sessão, prometendo trabalhar com a comunidade internacional para reforçar uma “recuperação económica sustentável para Angola e outros países menos avançados”.

“Reiteramos a importância da nossa relação com Angola e entendemos o impacto contínuo e devastador da pandemia de covid-19 e da recessão de vários anos”, disse o representante dos Estados Unidos.

A União Europeia declarou “apoio total” à intenção do Governo angolano de atualizar a Estratégia Nacional de Desenvolvimento e a sua estratégia nacional de transição suave, como pedido pela ONU.

“Estamos conscientes dos desafios particulares que Angola enfrenta no contexto da sua graduação do estatuto de PMA, notavelmente a diversificação da economia e redução de desigualdades”, disse o representante da União Europeia.

A UE desejou a Angola um processo de desenvolvimento “bem-sucedido e sustentável”, vendo a subida de categoria, em 2024, como uma forma de cumprir a Agenda 2030 (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, definidos pela ONU).

“A União Europeia vai continuar a apoiar Angola na sua jornada para a sua graduação e além, na perspetiva do desenvolvimento sustentável, mantendo um diálogo político estreito”, declarou o diplomata.

A resolução foi apresentada pela Guiné-Conacri, como presidente do grupo de copatrocinadores — a organização intergovernamental de países em desenvolvimento Grupo dos 77 e China.

O representante da Guiné considerou, no discurso perante a Assembleia-Geral, que a perceção sobre a graduação deve ser alterada: “A graduação de PMA não é um fim, mas um importante marco na jornada de um país para o desenvolvimento sustentável, resiliência e autossuficiência”, sustentou.

Segundo a Guiné, a comunidade internacional pretende que os países avancem com confiança, exercício de propriedade nacional (autoridade sobre políticas e atividades de desenvolvimento e articulação da agenda de desenvolvimento), “para tornar a graduação suave e irreversível”.

De acordo com o representante da Guiné, 11 países estão a caminho de avançar de categoria, mas o mundo ainda está muito longe do objetivo de graduar metade dos países menos avançados (existem atualmente 46) durante a década 2020-2030.

“Desafios extraordinários e o choque ao sistema global trazidos pela pandemia de covid-19 exacerbaram os problemas de desenvolvimento que os PMA enfrentam e reverteram muitos anos de progresso, conduzindo a possíveis danos de longo termo”, disse hoje o representante da Guiné, país que preside ao Grupo dos 77.

Na resolução adotada hoje e consultada pela agência Lusa, a Assembleia-Geral “reitera o seu convite a Angola para preparar, durante os três anos adicionais entre a adoção da presente resolução e a sua graduação da categoria de país menos avançado, a sua estratégia nacional de transição suave”.

A Assembleia-Geral da ONU, constituída por 193 Estados-membros, “manifesta a sua profunda preocupação com a prolongada recessão económica que Angola tem vindo a enfrentar e com as vulnerabilidades socioeconómicas agravadas pela crise global desencadeada pela pandemia de covid-19”.

Nesta resolução entraram em consideração os seis anos consecutivos de “recorrente recessão económica” e o facto de Angola “continuar a ser altamente vulnerável às flutuações de preços” do mercado, sendo um “país menos desenvolvido dependente de matérias-primas”, segundo o documento.

Fonte: Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.