João Lourenço autoriza despesa de 1.3 mil milhões de kwanzas para obras de combate às ravinas no Zango 5

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Presidente da República, João Gonçalves Lourenço, autorizou a despesa, como formalizou a abertura do procedimento de contratação simplificada para adjudicação dos contratos de obras de contenção e estabilização das ravinas na zona sul da centralidade do Zango 5, município de Viana, em Luanda.

De acordo com o despacho nº2/22 publicado no Diário da República, 1ª Série, nº15 da passada sexta-feira (22), o chefe de Estado autorizou o desembolso de 1.3 mil milhões de kwanzas para as obras de contenção e estabilização das ravinas e 39 milhões de kwanzas para fiscalização da referida obra.

A decisão visa assegurar a adopção de medidas com carácter emergencial para travar o avanço progressivo dos solos na zona sul da referida centralidade, que originaram o surgimento da ravina. 

De acordo com director nacional de obras de engenharia do Ministério das Obras Públicas e Ordenamento do Território, Carlos Rocha, os trabalhos terão início tão logo sejam liberadas as verbas e com duração prevista de 6 meses.

Segundo responsável, o escopo do trabalho passa pela mobilização do estaleiro, limpeza e retirada de contentores, terraplenagem, aplicação de manilhas, execução de caixas de visita e demais trabalhos de betão.

“A construção de murros de contenção, bocas de entrada e de saída para o encaminhamento da água fazem, igualmente, parte das obras, cuja fase final consistirá na reparação do pavimento que foi danificado pela água”, esclareceu Carlos Rocha.

O problema das ravinas no Zango 5 começou a evidenciar-se há dois anos, devido a um hipotético “erro de concepção do sistema de macro-drenagem”, segundo especialistas ouvidos pela ANGOP, que afirmam que a progressão da erosão poderá causar, a curto prazo, problemas estruturais no sistema de fornecimento de água e nos cabos de fibra ótica.

Em caso de demora na intervenção, afirmam que a ravina poderá, ainda, cortar o sistema de telecomunicações e engolir edifícios no Bloco A da centralidade.

A centralidade do Zango 5 foi construída para albergar uma população estimada de 48 mil habitantes, sendo que o projeto contempla sete mil e 964 fogos, desenvolvidos numa área total de 416 hectares, subdivididos em 32 sectores urbanos. 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.