Estado angolano poderá ficar com 75% da Unitel e tornar-se indiretamente acionista da NOS

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Estado angolano poderá ficar com 75% das ações da Unitel e reforçar a sua posição de acionista maioritário, através da Sonangol, e por sua vez através da Unitel tornar-se indiretamente acionista da portuguesa NOS.

A empresária Isabel dos Santos foi esta terça-feira (26) condenada pelo Tribunal de Recurso de Paris a pagar uma indemnização no valor de 339,4 milhões de dólares à PT Ventures, detida integralmente pela Sonangol.

Na sexta-feira (22), o Jornal Expresso de Portugal avançou com uma notícia, citando uma fonte da Unitel, que a empresa angolana de telecomunicações tinha aberto um processo em Lisboa para ficar com 26,075% das ações que a empresária Isabel dos Santos tem na NOS.

Segundo a mesma fonte, as ações de Isabel dos Santos na NOS foram comprados com dinheiro emprestado pela Unitel e agora a operadora de telefonia móvel pretende chamar a si o controlo da participação que filha do antigo Presidente da República tem na NOS.

*Fim do império Isabel dos Santos*

Recorde-se que o governo angolano alega que a empresária Isabel dos Santos deve ao Estado angolano mais de 5 mil milhões de dólares e por conta disso, grande parte, senão todos os bens da empresária em Angola e todas as suas participações em empresas em Portugal, foram igualmente congeladas.

Se o governo conseguir provar perante a justiça em Angola e em Portugal que foi lesado no valor referido pela justiça angolana, Isabel dos Santos nunca mais vai recuperar os seus ativos, o que implica que o Estado ficara definitivamente com 75% da Unitel, 100% da Luandina, 100% da rede hipermercados Candando, 70% da Zap, 100% da Nova Cimangola, 51% do BFA e 37,5% no Banco BIC, pondo fim ao império de Isabel dos Santos.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.