Arrogância ou Burrice? Ex-vice do Uíge será julgado com base em alegações do seu próprio processo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O antigo vice-governador da província do Uíge para os Serviços Técnicos e Infraestruturas, Afonso Luviluku, será brevemente julgado por corrupção, usurpação de bens públicos, desvios de fundos e peculato, com base em alegações que foram dadas como provadas num caso que lançou contra um ativista da província por difamação.

A 24 de maio de 2019, o ativista Jorge Kisseque enviou uma carta ao então governador provincial, Pinda Simão, acusando afonso Luviluku de ser o culpado da não reparação da estrada de acesso ao município dos Buengas, da não conclusão das infra-estruturas integradas do bairro Kandombe Velho, assim como das ruas do Kandombe Novo. A carta, que servia para solicitar autorização para a realização de uma marcha de protesto, atribuía culpas a Afonso Luviluku pela não conclusão das obras da Mediateca do Uíge, da Casa da Juventude e da estrada de acesso à Universidade Kimpa Vita.

Por arrogância ou burrice, Afonso Luviluku, abriu um processo-crime contra Jorge Kisseque, por difamação, por atos que ele sabia serem verdade.

“O Tribunal Provincial do Uíge considerou provados mais de 30 quesitos das acusações contra o então vice-governador. Entre as acusações está a usurpação, para benefício próprio, de duas casas na Centralidade do Kilumoso, assim como a distribuição de outras residências a parentes, amigos e colegas”, escreve o Jornal de Angola.

“O então governante, que era o responsável pela distribuição de residências construídas pelo Estado, apoderou-se, ainda, de duas no projeto habitacional destinado à juventude, como ficou provado em julgamento. A mesma instância provou, ainda, que as empresas tuteladas pelo ex-vice-governador nunca terminaram as várias obras que lhes foram adjudicadas, mesmo tendo sido pagas na totalidade”, escreve ainda o diário.

Agora, a PGR no Uíge anunciou que vai abrir um processo-crime contra Afonso Luviluku “com base nas alegações provadas no julgamento que absolveu, na quarta-feira, o ativista cívico Jorge Kisseque”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.