“O presidente do MPLA é quem impede a realização das autárquicas” – Mihaela Webba

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

A vice-presidente do Grupo Parlamentar da UNITA, Mihaela Webba, afirmou que ” o presidente do MPLA é quem impede a realização das eleições autárquicas em angola”.

Em entrevista concedida à DW África esta sexta-feira (15), na abertura oficial do ano político do seu partido, Mihaela Webba disse que “neste momento, quem impede a realização das autárquicas, quem impede que se aprove e que se termine o pacote legislativo autárquico, é o presidente do MPLA”.

“Porque, através da sua maioria no Parlamento, dá orientações para que não se discutam as restantes leis que são necessárias para que o pacote seja concluído. Sobretudo uma lei que é extremamente importante, que é a lei da institucionalização das autarquias locais”, justificou.

“Sem essa lei não é possível realizarmos as eleições autárquicas. O Presidente da República diz recorrentemente que “é o Parlamento que não está a aprovar”, mas é ele, enquanto presidente do MPLA, que dá instruções ao seu partido, e a maioria parlamentar do seu partido é que, efetivamente, não quer discutir esta lei”, reforçou.

Mihaela Webba defendeu que os grandes desafios para o corrente ano, no ponto de vista parlamentar, “são terminar a aprovação do pacote legislativo autárquico, ainda este ano, institucionalização das autarquias locais e, consequentemente, a realização das primeiras eleições autárquicas no país”.

Questionada sobre a necessidade de alterar a lei eleitoral, a política defende que atual lei não oferece garantias o suficiente para a realização de eleições livres e transparentes.

“Nós não podemos ir para o pleito eleitoral de 2022 com a legislação atual. Ela está desatualizada, permite a falta de transparência no pleito eleitoral e, portanto, a UNITA entende que devemos efetivamente alterar a lei eleitoral, alterar a composição da Comissão Nacional Eleitoral e também a forma de provimento do cargo de presidente da Comissão Nacional Eleitoral. Esses são os grandes desafios em termos de legislação”, disse.

Sobre a necessidade de uma alteração constitucional, Mihaela Webba disse ser pertinente porque no seu entender a atual constituição põe o presidente acima da constituição e isso deve ser alterado.

“Entendemos que a nossa Constituição foi feita à medida do casaco do antigo Presidente Eduardo dos Santos. É uma Constituição que não permite um verdadeiro combate à corrupção, permite sim um combate seletivo. Coloca o Presidente da República acima da Constituição, porque tem um artigo específico que estabelece que o Presidente não é responsável pelos seus atos de governação. Portanto, o Presidente pode praticar determinados crimes no exercício das suas funções e não é responsabilizado, e isso tem de ser alterado porque permite que o Presidente pratique crimes graves de corrupção e não seja responsabilizado”.

Questionada sobre a possibilidade do Presidente da República ser destituído, em caso de necessidade, a vice-presidente do Grupo Parlamentar da UNITA, respondeu que é possível, mas é preciso uma maioria qualificada.

“Ele pode ser destituído, mas, tendo uma maioria qualificada no Parlamento, que é o que acontece atualmente – o MPLA tem 150 deputados e a maioria qualificada em Angola são 147 deputados -, isso permite-lhe não ser destituído. Há uma série de questões na Constituição, como os excessivos poderes do Presidente da República, [e é preciso] voltar à verdadeira competência fiscalizadora do Parlamento, porque nós somos um sistema de Governo presidencial e o Parlamento não atua como verdadeiro órgão fiscalizador de atuação do poder executivo. Também isso teria de ser revisto na nossa atual Constituição”, concluiu.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.