Gêmeos idênticos não são tão idênticos assim – estudo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

As diferenças genéticas entre gêmeos monozigóticos podem aparecer muito cedo, desde o desenvolvimento embrionário, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira (7) que pode questionar a análise científica desses casos para determinar o que é inato e o que é adquirido.

Um nascimento de gêmeos monozigóticos ou idênticos ocorre quando o zigoto resultante da fecundação se separa em dois, formando dois embriões.

O estudo de pesquisadores islandeses, publicado na revista Nature Genetics, analisou as mutações que ocorrem em uma fase precoce do desenvolvimento embrionário. Concluiu que os genomas entre gêmeos idênticos apresentam uma média de 5,2 mutações diferentes.

Em 15% desses casos, o número dessas mutações diferentes é inclusive “substancial”, destacam os autores, para quem essas conclusões sugerem que o papel dos fatores genéticos nas diferenças entre este tipo de gêmeos é mais importante do que se pensava.

“O modelo clássico é analisar gêmeos idênticos para distinguir a influência da genética e a do entorno na análise de doenças. Por exemplo, no caso de gêmeos idênticos criados separadamente e um deles desenvolve problemas de autismo, a interpretação clássica é que se deve ao entorno”, explicou à AFP Kari Stefansson, diretor da CODE Genetics, filial islandesa do grupo farmacêutico americano Amgen.

“Mas é uma conclusão extremamente perigosa”, porque existe a possibilidade de que a doença seja decorrente de uma mutação genética precoce, acrescentou.

Sua equipa sequenciou o genoma completo de 387 gêmeos monozigóticos, assim como os de seus pais, parceiros e filhos, para detectar as mutações genéticas.

Quando uma mutação acontece nas primeiras semanas do desenvolvimento de um embrião, tende a estar presente no conjunto das células do indivíduo e a ser transmitida à sua descendência.

Stefansson estima que, com a divulgação de seu estudo, pode deixar de ser pertinente chamar este tipo de gêmeos de idênticos. “Me inclino mais a chamá-los de monozigóticos”, disse.

Fonte: AFP

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.