Mais de 34 milhões de infetados no mundo desde início de pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Pelo menos 34.041.560 pessoas foram infetadas em todo o mundo com o novo coronavírus desde que este foi descoberto em dezembro na China, indica um balanço às 11:00 TMG, da agência France-Presse.

O número de mortos no mesmo período foi de 1.018.634 e pelo menos 23.506.700 pessoas são consideradas curadas, segundo a AFP.

Nas últimas 24 horas registaram-se 6.206 mortos e 304.965 novos casos de covid-19. Os países que registaram mais mortes no último dia foram a Índia (1.181), o Brasil (1.031) e os Estados Unidos (964).

Os Estados Unidos são o país mais afetado, tanto em número de mortos como de casos, com um total de 206.959 mortos entre 7.233.946 casos, segundo o balanço da universidade Johns Hopkins. Pelo menos 2.840.688 pessoas foram declaradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais enlutados são o Brasil com 143.952 mortos em 4.810.935 casos, a Índia com 98.678 mortos (6.312.584 casos), o México com 77.646 mortes (743.216 infetados) e o Reino Unido com 42.143 mortes (453.264 casos).

Entre os países mais afetados, o Peru é o que conta com mais mortos em relação à sua população, 98 por cada 100.000 habitantes, seguido da Bélgica (86), Bolívia (68), Espanha (68) e Brasil (68).

A China (sem os territórios de Hong Kong e Macau) declarou um total de 85.414 casos (11 nas últimas 24 horas), incluindo 4.634 mortos (0 no último dia), e 80.594 curas.

A América Latina e as Caraíbas totalizavam hoje às 11:00 TMG 347.352 mortos em 9.296.131 casos, a Europa 232.787 mortes (5.507.924 infetados), os Estados Unidos e o Canadá 216.291 mortos (7.392.371 casos), a Ásia 139.461 mortos (8.232.962 infetados), o Médio Oriente 45.908 mortes (1.996.984 casos), África 35.862 mortos (1.483.481 casos) e a Oceânia 973 mortos (31.712 infetados).

O número de casos diagnosticados só reflete, contudo, uma fração do número real de infeções. Alguns países só testam os casos graves, outros utilizam os testes sobretudo para rastreamento e muitos países pobres dispõem de limitadas capacidades de despistagem.

O balanço foi realizado a partir de dados recolhidos pelas delegações da AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial de Saúde.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.