França vai entregar suposto genocida de Ruanda à justiça internacional

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

O Tribunal de Cassação da França, a maior jurisdição do país, rejeitou nesta quarta-feira o recurso apresentado por Félicien Kabuga, suposto tesoureiro do genocídio em Ruanda, contra sua transferência a Arusha, na Tanzânia, sede do tribunal da ONU que deve julgá-lo por genocídio e crimes contra a humanidade.

A corte validou a decisão de 3 de junho do tribunal de apelação de Paris que ordenou a entrega do octogenário à instituição responsável por concluir os trabalhos do Tribunal Internacional para Ruanda (TPIR), por considerar que “não há obstáculos jurídicos ou médicos” para a transferência.

A França tem um mês para entregar Kabuga, que foi detido em 16 de maio nas proximidades de Paris, depois de permanecer foragido por 25 anos.

Félicien Kabuga é acusado de ter participado na criação das milícias hutu Interahamwe, principais braços armados do genocídio de 1994 que provocou, segundo a ONU, 800.000 mortes, essencialmente entre a minoria tutsi. E de ter contribuído com sua fortuna para proporcionar milhares de machados aos milicianos.

O ex-presidente da tristemente célebre Rádio Televisão Livre das Mil Colinas (RTLM), que divulgou apelos a favor do massacre dos tutsis, rejeita as sete acusações apresentadas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.