Linha de apoio ao micro-crédito recebe 30 solicitações

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Mais de 30 de empreendedores solicitaram, nos últimos sete dias, financiamento à linha de apoio ao micro-crédito do Governo, que tem disponíveis 4 mil milhões de kwanzas, no âmbito das medidas de alívio económico, aprovadas em Abril pelo Executivo, anunciou hoje o director do gabinete para política da população, Adriano Celso Borja.

Ao intervir no Briefing Bissemanal do Ministério da Economia e Planeamento (MEP), Adriano Celso Borja sublinhou que entre as solicitações na fase de pré operacionalização destacam-se as do sector da agricultura, produção de software, agro-negócio e processamento alimentar.

De acordo com o responsável, as solicitações feitas são todas de empreendedores da capital do país.

Com essas solicitações, estão criadas as condições materiais, técnicas e operacionais para que seja executada a disponibilização de AKz 4 mil milhões na linha de apoio ao micro-crédito, consagrada no Decreto presidencial 98/20 e destinada a providenciar o acesso ao crédito dos micro-empreendedores formais e informais do país.

Cada projecto pode solicitar até sete milhões de kwanzas nas instituições especializadas em micro-crédito, como a KixiCrédido, Facilcred, Multicrédito, Wiliete Crédito, Nespecred, Gingacred, KifCrédito e Cooperativa do Fórum Angolano de Jovens Empreendedores (FAJE).

Em relação às áreas elegíveis estão a agricultura, com destaque para a produção de cereais, leguminosas, oleaginosas, tubérculos e hortícolas.

Constam também a avicultura de corte e de postura, aquisição de bovinos para engorda e abate, processamento de alimentos e produção de bebidas, logística e distribuição de produtos agro-alimentares e de pesca, bem como aquicultura.

Figuram igualmente da iniciativas empresariais abrangidas, a reciclagem de resíduos sólidos e urbanos, prestação de serviços de transporte, prestação de serviços de formação profissional, desenvolvimento de software e turismo, produção cultural e artística.

Na ocasião, o presidente do conselho de administração do Instituto Nacional de Apoio às Pequenas e Medias Empresas (Inapem), Arnito Agostinho, adiantou que um total de 150 mentores individuais e 75 mentores indicados por empresas, participam de uma formação que iniciou na semana transacta, no âmbito do PRODESI, ligada ao processo de capacitação empresarial.

Os 150 mentores foram seleccionados a base de um rigoroso processo, conduzido pelo INAPEM e pelo Ministério da Economia e Planeamento e são oriundos de universidades públicas e privadas angolanas, formados nas especialidades de gestão, finanças e economia.

Pretende-se ainda com este processo, criar um leque de formadores nacionais, especializados nesse conceito inovador, testado em outras economias do mundo e com resultados bastante satisfatórios, que posteriormente poderão levar essas valências a nível nacional.

Atendendo às medidas para conter a propagação da COVID-19, a formação será ministrada online nas modalidades e-learning síncrona e assíncrona.

Nesta primeira fase estão a ser seleccionadas 75 empresas para que, de igual modo, os seus gestores recebam formação afim e acolham, para implementação do processo, os mentores capacitados.

Nesse sentido, acrescentou, estão inscritas 72 empresas e 214 gestores dessas empresas receberão igualmente formação sobre boas práticas de gestão com base na teoria das restrições.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.