Trump é criticado por sugerir que pode não respeitar resultado das eleições

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Influentes congressistas republicanos e democratas rejeitaram energicamente nesta quinta-feira a sugestão do presidente americano, Donald Trump, de que poderá não aceitar uma derrota nas eleições de novembro, advertindo o líder republicano de que ele “não está na Coreia do Norte”.

Um dia depois de Trump se negar a garantir claramente uma transferência pacífica do poder, o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, assegurou aos eleitores que o vencedor das eleições de 3 de novembro assumirá o cargo em janeiro, como previsto.

FBI rejeitou implicitamente a sugestão de Trump de que estava sendo preparada uma fraude em massa com o aumento das cédulas eleitorais enviadas pelo correio, e alertou para o risco de desinformação sobre o tema.

Trump provocou indignação ontem, ao sugerir que poderá não respeitar o resultado das eleições ou não considerar as cédulas enviadas pelo correio como legítimas.

“Temos que ver o que acontece em novembro”, respondeu Trump durante entrevista coletiva na Casa Branca, ao ser questionado se estava comprometido a garantir uma transferência pacífica do poder, independentemente do resultado das eleições entre ele e o democrata Joe Biden.

Trump pareceu ontem pedir a anulação dos votos pelo correio. “Livrem-se dessas cédulas e será muito pacífico, não haverá transferência de poder realmente, será uma continuação”, afirmou.

O presidente repetiu hoje, em entrevista no rádio, sua afirmação de que não se pode confiar nas cédulas enviadas pelo correio. Pressionada pelos comentários de Trump, a porta-voz da Casa Branca, Kayleigh McEnany, afirmou: “O presidente aceitará o resultado de eleições livres e justas.”

– ‘Não está na Coreia do Norte’ –

O influente senador McConnell lançou uma advertência velada a Trump: “O vencedor das eleições de 3 de novembro tomará posse em 20 de janeiro. Haverá uma transição ordenada, como a cada quatro anos desde 1792.”

Outros políticos foram mais duros. “Fundamental para a democracia é a transição pacífica do poder. Sem isso, é Belarus”, tuitou o senador republicano Mitt Romney.

Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes e líder democrata no Congresso, disse que é preciso lembrar a Trump em que país ele vive. “Não está na Coreia do Norte, não está na Turquia, não está na Rússia, senhor presidente.”

O senador Bernie Sanders, que Trump considera de extrema esquerda e antiamericano, criticou o presidente por ter “pouco respeito” pela Constituição. “O que está dizendo é que, se vencer as eleições, será genial. Mas se perder, foi manipulado. Porque a única forma de perder, é se tiver sido manipulado.”

– Preocupação com o voto pelo correio –

Trump fez repetidas acusações sem provas durante a campanha de que os democratas poderiam manipular as eleições, aproveitando-se de um aumento da votação pelo correio devido à pandemia. Funcionários eleitorais temem que não haja um vencedor claro no dia seguinte à votação, já que milhões de cédulas enviadas pelo correio demoram a chegar às seções eleitorais locais.

O FBI e os serviços de inteligência advertiram que pessoas dentro e fora do país poderiam se aproveitar deste período para divulgar notícias falsas sobre fraude, gerando dúvidas sobre o processo eleitoral. O diretor do FBI, Chris Wray, no entanto, disse hoje em audiência no Senado que não foi observado nenhum esforço coordenado para manipular o resultado das eleições, “seja pelo correio ou de outra forma”.

Republicanos e democratas sabem que a apuração de votos locais e estaduais pode ser impugnada nos tribunais, possivelmente em muitos casos, e que estas disputas podem acabar na Suprema Corte, que decidiu as eleições de novembro de 2000 em favor do candidato republicano, George W. Bush.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.