Empresa norte-americana admite esquema de corrupção no Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Uma empresa norte-americana aceitou pagar 16,6 milhões de dólares em multas (14,2 milhões de euros) num processo em que era acusada de pagar subornos em países sul-americanos, incluindo no Brasil, para obter contratos.

Segundo a agência de notícias Associated Press (AP), procuradores federais em Brooklyn, nos Estados Unidos, acusaram a empresa Sargeant Marine, considerada um dos maiores fornecedores de asfalto do mundo, de ter pagado subornos entre 2010 e 2018 para obter contratos com companhias petrolíferas estatais no Brasil, Venezuela e Equador, incluindo à brasileira Petrobas e à Petróleos de Venezuela (PDVSA).

Em resultado, a empresa sediada em Boca Raton, na Florida, obteve lucros de mais de 38 milhões de dólares (32,5 milhões de euros), segundo a acusação.

Os beneficiários no Brasil, onde a empresa conseguiu a maior parte dos lucros, de acordo com a acusação, incluíam um ex-deputado, um ministro e altos executivos da Petrobras, durante os governos dos ex-Presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Nenhum dos funcionários é identificado no acordo assinado na terça-feira pela empresa.

Em 18 de agosto, o ex-deputado brasileiro Candido Vaccarezza, que presidiu à Câmara dos Deputados nos Governos de Lula da Silva e de Dilma Rousseff, foi detido em São Paulo, no âmbito da operação Lava Jato, por suspeita de corrupção na petrolífera estatal Petrobras.

O ex-deputado, que deixou o Partido dos Trabalhadores (PT), é suspeito de ter recebido 500 mil dólares (425 mil euros) para favorecer contratos entre a Petrobras e a Sargeant Marine, utilizando “a influência decorrente do cargo”, de acordo com os investigadores.

Segundo a investigação, esta influência determinou “a celebração de doze contratos, entre 2010 e 2013, no valor de aproximadamente 180 milhões de dólares (153,1 milhões de euros)”.

A empresa norte-americana recorria a falsos contratos de consultadoria e faturas falsas para pagar os intermediários que negociaram os subornos nos três países, segundo o acordo assinado pela Sargeant Marine.

Táticas semelhantes foram utilizadas na Venezuela, cujo alcatrão é considerado um dos melhores do mundo para produzir asfalto. A informação confidencial obtida através do esquema de subornos, que deu à Sargeant Marine uma vantagem competitiva nas negociações com a Petróleos da Venezuela, era designada pelo nome de código “chocolates”, segundo o acordo.

A empresa também reconheceu ter pagado subornos em 2014 a partir de contas ‘offshore’ a um funcionário que trabalhava para a Petroecuador, gerida pelo Estado equatoriano.

Segundo a AP, Daniel Sargeant, que dirigia a Sargeant Marine, confessou-se culpado em dezembro de conspirar para violar a Lei sobre Práticas de Corrupção no Estrangeiro (Foreign Corrupt Practices Act), que proíbe o pagamento de subornos a funcionários estrangeiros em troca de negócios, sendo ainda acusado de branqueamento de capitais.

O antigo responsável aguarda a sentença em liberdade, depois de ter pagado uma fiança de 300 mil dólares (perto de 257 mil euros).

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.