Lula da Silva e Zapatero entre mais de 100 políticos que reclamam libertação de Julian Assange

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Mais de 100 políticos, incluindo o antigo primeiro-ministro espanhol José Luis Rodríguez Zapatero e o ex-Presidente brasileiro Lula da Silva, pediram a libertação do fundador do WikiLeaks, Julian Assange.

Treze antigos e atuais chefes de Estado e de Governo, numerosos deputados e diplomatas de 27 países assinaram uma carta promovida pela organização internacional de advogados “lawyers4asange” na qual se pede ao Reino Unido a suspensão da extradição para os EUA e em que se denuncia “a ilegalidade” do julgamento contra Assange, segundo um comunicado.

Na carta, os advogados e peritos jurídicos sustentam que o julgamento de extradição instigado pelos EUA, que acusa o australiano de 18 alegados crimes de espionagem e intrusão informática, “viola o direito nacional e internacional e os direitos a um julgamento justo e outros direitos humanos” e “ameaça a liberdade de imprensa e a democracia”.

Entre os políticos que assinam o texto estão o ex-líder trabalhista britânico Jeremy Corbyn; os ex-chefes de Estado do Brasil, Dilma Roussef; da Argentina, Alberto Fernández; da Colômbia, Ernesto Samper; da Bolívia, Evo Morales; ou do Paraguai, Fernando Lugo; bem como o atual Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

A iniciativa junta-se a outras campanhas promovidas para obter a libertação do jornalista (que se encontra em prisão preventiva), incluindo uma da Amnistia Internacional (AI) na qual pede a Washington que retire as suas acusações, que já recolheu mais de 400.000 assinaturas.

Assange, 49 anos, enfrenta a terceira semana do seu julgamento de extradição em Londres na segunda-feira por causa das revelações no seu ‘website’ WikiLeaks, que rejeita como sendo de motivação política.

Para além de questionar a legalidade do processo, a organização “lawyers4assange” queixa-se que o princípio britânico de “justiça aberta” e transparência foi posto em causa ao não permitir o acesso à sala, mesmo remotamente, a “observadores independentes” como a AI e deputados de vários países.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.