Estado Islâmico se expande internacionalmente, principalmente em África

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Apesar do êxito militar da coalizão anti-extremista em atuação na Síria e no Iraque, o grupo do Estado Islâmico (EI) se expande internacionalmente, principalmente em África, informou um alto funcionário do governo americano nesta quinta-feira (17).

“Há um ano, os esforços de contraterrorismo dos EUA e da coalizão eliminaram os principais líderes do EI e interromperam as operações terroristas do grupo em várias regiões”, afirmou Christopher Miller, diretor do Centro Nacional Antiterrorista dos Estados Unidos.

“Mas o grupo continua a desenvolver uma estratégia global agressiva” e agora tem 20 grupos afiliados em todo o mundo, principalmente em África, observou Miller, que apresentou perante um comitê do Congresso o relatório anual de Inteligência americana sobre ameaças globais contra os Estados Unidos.

Desde outubro de 2019, na incursão americana que matou o líder Abu Bakr al Baghdadi, os Estados Unidos e seus aliados eliminaram várias personalidades do grupo, mas “o EI tem demonstrado repetidamente sua capacidade de se recuperar”, explicou o funcionário num documento entregue aos representantes do Legislativo durante a audiência.

“Em algumas partes da África, grupos do EI realizam ataques frequentes contra as forças de ordem locais e aumentam seu território, ao mesmo tempo em que as operações da coalizão e os ataques de grupos rivais diminuíram no Afeganistão, Líbia, Somália e Iêmen”, aponta o documento.

Nesta quinta-feira, o EI assumiu a responsabilidade pelo assassinato de oito pessoas no Níger – seis franceses e dois nigerianos – em 9 de agosto.

Para os serviços antiterroristas dos EUA, o Estado Islâmico “continua tentando realizar operações contra os ocidentais, embora as medidas de contraterrorismo tenham reduzido a capacidade do grupo de realizar operações na escala dos ataques de Paris e Bruxelas” em 2015 e 2016.

Na Síria e no Iraque, o EI continuou com operações num ritmo “mantido”, incluindo um ataque ao exército iraquiano em maio, no qual dezenas de soldados iraquianos foram feridos e mortos.

De acordo com Miller, o próximo objetivo do EI é libertar seus milhares de combatentes e suas famílias presas em acampamentos no nordeste da Síria.

O documento ressalta que grupos extremistas se beneficiaram com a pandemia da covid-19 porque lhes permitiu “apresentar a doença como um castigo divino” e “afetou a confiança das pessoas sobre a capacidade dos seus governos de cuidar deles”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.