Barbados quer que a rainha Elizabeth deixe de ser sua chefe de Estado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Barbados anunciou sua intenção de que a rainha Elizabeth II deixe de ser sua chefe de Estado em novembro do ano que vem, uma decisão que pretende deixar para trás qualquer vestígio de seu passado colonial.

A governadora-geral da ilha caribenha, Sandra Mason, anunciou essa decisão durante o discurso conhecido como Discurso do Trono.

“Chegou o momento de deixar nosso passado colonial completamente para trás”, disse Mason, que falou em nome da primeira-ministra, Mia Mottley.

Mais de meio século após conquistar a independência do Reino Unido, “os habitantes de Barbados querem um chefe de Estado de Barbados”, acrescentou. “Esta é a declaração máxima de confiança em quem somos e no que somos capazes de conseguir”.

Mason disse que “Barbados dará o próximo passo lógico à soberania total e se tornará uma república” quando a ilha celebrar seu 55o aniversário de independência, em 30 de novembro de 2021.

Questionado sobre esta decisão, um porta-voz do Palácio de Buckingham disse: “Este é um assunto do governo e do povo de Barbados”.

A rainha Elizabeth é chefe de Estado do Reino Unido e outros 15 países (Antígua e Barbuda, Austrália, Bahamas, Barbados, Belize, Canadá, Granada, Jamaica, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, São Cristóvão e Névis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Ilhas Salomão e Tuvalu) que estiveram sob mandato do Reino Unido.

Muitos habitantes de Barbados pediram no passado que a rainha Elizabeth fosse retirada do cargo de chefe de Estado devido a suas persistentes associações imperialistas, e vários dos líderes da ilha defendem torná-la uma república.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on email

Designed by nzaylakasesa,lda.